O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notcias
Tratamento de esgoto doméstico com plantas é alternativa para evitar poluição dos rios
Tamanho da letra

As informações são da palestra “Introdução ao Saneamento Ecológico”, ministrada por Rodolfo Almeida, ambientalista e presidente da Sociedade Ecológica Amigos de Embu – SEAE, em Embu das Artes, cujo objetivo foi apresentar maneiras simples para tratar o esgoto unifamiliar, com a utilização de recursos naturais e economicamente viáveis.

Por lei, quando não existe coleta do efluente (esgoto) por empresas como a SABESP, o tratamento convencional deveria ser feito com fossa séptica, mas ela não remove todos os poluentes, que acabam lançados na natureza.

Segundo o palestrante, “nitrato, fostafato, hormônios e antibióticos não são neutralizados e voltam para rios e represas e, consequentemente, para as nossas torneiras. Além disso, desperdiça recursos que poderiam ser aproveitadas dos efluentes, como biogás (para energia) e lodo (para o adubação)”.

Em contrapartida, tratamentos com plantas são capazes de filtrar mais de 90% dos poluentes e remover até mesmo contaminação química.

Existem alternativas para todos os gostos, com preços compatíveis e até mais baratos que os sistemas tradicionais.

Entre eles está o tanque de evapotranspiração, círculo de bananeiras, jardim filtrante, fossa biodigestora, vermifiltro, biossistema e zonas de raízes (wetlands).

Alguns métodos podem ser praticados inclusive em urbanas, pois exigem pouco espaço.

Eles podem atender desde residências individuais, pequenas comunidades ou até cidades inteiras.

Podem também ser usados para completar o tratamento da água e colaborar com a saúde do meio ambiente.

Tratamento por plantas

Na zonas de raízes (wetlands), as plantas de espécies peculiares, como papiros, tairoba, aguapés, entre outras, atuam na absorção das substâncias poluentes que passam por suas raízes.

De um modo geral, o sistema conta com a fossa séptica tradicional e dois tanques de passagem (filtragem) que ficam sob a terra, cobertos com uma camada de pedra britada. Sobre a pedra, as plantas são cultivadas.

Quando o esgoto passa subterrâneo pelos tanques, as raízes consomem a matéria orgânica e os poluentes, as bactérias eliminam coliformes fecais e outros organismos que causam doenças.

Ao final do processo, a água tratada pode ser utilizada em lavagem de calçadas, irrigação de pomares e jardins, em lagos paisagísticos ou simplesmente devolvida ao ambiente.

Nesta opção, é importante atentar ao cálculo do tamanho do sistema de tratamento para evitar a ineficiência ou entupimentos, pois ocorre variação de acordo com a quantidade de pessoas que a residência costuma receber.

O projeto não traz qualquer risco de doenças a pessoas ou animais, tampouco cheiro desagradável, pois o esgoto corre abaixo do solo.

Fonte:Mayra Rosa / CicloVivo


   
       
 
05/12/2019Em audiência, Célio Studart defende fim da matança de jumentos para consumo
05/12/2019Número de onça-pintadas volta a crescer na mata atlântica; diz censo
05/12/2019*O papel econômico e ambiental do sucateiro
05/12/2019Prefeitura contrata consultoria para trazer cemitérios ao século XXI
05/12/2019Semicondutores degradáveis e que esticam para aplicações de saúde e meio ambiente
05/12/2019Uber do entulho' ajuda no descarte adequado de resíduos
03/12/2019Filme biodegradável feito com fécula do cará pode reduzir uso de plástico na Amazônia
03/12/2019300 milhões de pessoas ameaçadas por alta dos oceanos: “evolução do clima é irremediável”
03/12/2019Energia solar cresceu mais entre empresas no Brasil em 2019

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados