O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Artigos
*O ambiente, lá e cá
Tamanho da letra

O mundo acompanha como as forças do clima impõem suas consequências sobre o planeta, não só por características de catástrofe natural, mas necessariamente em decorrência de complicações geradas pela ação do homem.

A sucessão de furacões que castigam o Atlântico Norte com fúria deixa à mercê da própria sorte milhões de pessoas.

Esses fenômenos chamam a atenção pela sua grandiosidade e por demonstrar como o clima, de acordo com a manipulação humana, pode ser fonte de verdadeiras tragédias irreversíveis.

No dia 25 de agosto, o furacão Harvey estacionou sobre o Texas. Seu legado inclui 50 mortes, mais de 1 milhão de pessoas deslocadas e cerca de 200 mil casas destruídas.

Agora foi a vez do Irma, que atravessou o Caribe, deixando ao menos 20 mortes até ontem e um conjunto de ilhas arrasadas, seguindo para os Estados Unidos, onde mais de 6 milhões de pessoas na Flórida e na Geórgia foram avisadas para deixar suas casas.

E atrás vem o José, com a impetuosidade de um furacão classe 4, o que representa ventos com velocidade entre 211 e 249 quilômetros por hora e capacidade de elevar o nível do mar entre 3,9 e 5,5 metros de altura.

A sequência desses fenômenos revela o que o governo Donald Trump insiste em negar.

A comunidade científica mundial já emitiu diversos alertas de que grandes ciclones vão se tornar mais intensos com o aquecimento global e o aumento do nível do mar.

Eles se alimentam da energia que os oceanos desprendem e, com a elevação das temperaturas, os cientistas acreditam que a tendência é a intensidade disparar.

O presidente dos Estados Unidos anunciou em 1º de junho deste ano que seu país não acompanharia o Acordo de Paris, tratado assinado na capital francesa e ratificado por mais de 130 nações (inclusive o Brasil) com metas para reduzir poluição emitida por fábricas, veículos e desmatamento e, desta forma, limitar e controlar o aumento da temperatura do planeta.

É claro que Trump não é responsável direto pelos furacões que castigam o seu e outros países, mas sua atitude como governante, ao desprezar a necessidade de ações que preservem o meio ambiente é, no mínimo, irresponsável.

O governo do mais poderoso país do mundo incentiva de forma criminosa o desrespeito ao meio ambiente, comprometendo diretamente a segurança e a qualidade de vida de milhões de pessoas.

A tese do aquecimento global não pode ser usada coma mera sustentação de um discurso ambientalmente correto, mas ser entendida como resultado concreto de séculos de devastação, daí a necessidade de ações que revertam esses efeitos.

A grandiosidade dos fenômenos e de suas consequências exige políticas públicas estruturadas em escala mundial, sem deixar de lado as iniciativas regionais.

Fonte:Diário da Região

   
       
 
14/07/2018 - *ECO21 – Nunca o meio ambiente esteve tão ameaçado no Brasil
24/06/2018 - *Brasil X Costa Rica: pentacampeão do futebol perde de goleada em conservação do meio ambiente
18/05/2018 -  *O homem contemporâneo e sua relação com o meio ambiente
06/11/2017 - *PIB + PIV, será que temos um novo foco de luz no final do túnel?
10/09/2017 - *O ambiente, lá e cá
26/08/2016 - *Reflorestamentos que produzem alimentos
09/08/2016 - * Desastres lentos e graduais
26/05/2016 - *Conservação e Preservação do Meio Ambiente
05/05/2016 - * Crianças que não brincam na natureza, não se preocupam em protegê-la

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados