O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Reflorestamento
Manejo de Reflorestamento
Tamanho da letra

Conceitos
Planejamento Estratégico
Material Genético
Espaçamentos
Operações  do Manejo
Proteção Florestal
Custos de Operação

O termo "manejo" pode ser definido como sendo o tratamento dispensado a um povoamento florestal, o qual interfere nas condições ambientais em prol do desenvolvimento da floresta, ou também como sendo a administração de uma empresa florestal.

Assim sendo, o manejo nada mais é do que a execução de operações durante o crescimento e maturação da floresta com o objetivo de incrementar a produtividade, melhorar a qualidade e agregar valores à matéria-prima.
A administração ou planejamento florestal deve considerar:

A definição dos objetivos da empresa.

O planejamento da produção de cada povoamento.

O planejamento da produção total da empresa.

Ao se efetuar um planejamento florestal, a disponibilidade e a qualidade da matéria- prima, bem como as operações a serem realizadas, principalmente a idade da colheita, devem ser bem dimensionadas, pois para cada finalidade emprega-se um manejo diferenciado. Um equívoco muito comum é a implantação de reflorestamentos antes da definição do destino e uso final da madeira. Neste caso, ou são executados manejos inadequados, comprometendo a produtividade e a qualidade do produto, ou as práticas excedem aos objetivos da produção, desperdiçando-se dinheiro sem o retorno esperado.

Todo manejo causa conseqüências no ecossistema. Interferências que parecem mínimas podem trazer conseqüências de grande porte para o sistema produtivo florestal. Medidas semelhantes de manejo, em regiões diferentes, podem causar conseqüências também diferentes ou até contrárias ao seu objetivo. Os povoamentos florestais devem ser caracterizados sob a ótica da produção atual, análise da produtividade potencial futura e determinação de medidas mais convenientes para gerenciar e atingir a produção potencial.

Planejamento Estratégico              

Esta é a principal função do gerente florestal ou empresário que dirige uma empresa do ramo. No setor florestal, o gerente de planejamento tem uma posição estratégica, pois dele  depende, a princípio, o abastecimento atual e futuro da indústria, com um produto de longo tempo de obtenção e que está sujeito a várias interferências ambientais.
O planejador florestal deve definir a área a ser plantada, o tempo de maturação da madeira ou idade de colheita, a percentagem de abastecimento próprio ou de terceiros, a oferta, a localização e os preços de mercado, para então poder traçar, com segurança, sua própria estratégia e definir o custo da matéria-prima a ser empregada na fábrica.

Material Genético              

Em função dos fatores solo, clima e da destinação da matéria prima, as espécies, bem como o grau de melhoramento genético destas espécies, são fundamentais na agregação da qualidade e valor do produto final industrializado.

Deve ser observado que determinadas espécies selvagens ou pouco melhoradas apresentam utilizações bastante genéricas e pouco rentáveis, enquanto que espécies melhoradas poderão ter aplicações mais específicas, para usos mais nobres e, portanto, com maiores retornos financeiros. Exemplo típico são as espécies de eucalipto, que, quando empregadas sem grau de melhoramento, apresentam restrições de uso. Entretanto, quando determinadas características são melhoradas, a qualidade da madeira produzida permite uma infinidade de aplicações.

Espaçamentos              

O espaçamento, ou densidade de plantio, é provavelmente uma das principais técnicas de manejo que visa a qualidade e a produtividade da matéria-prima.

Deve ser definido em função dos objetivos do plantio, considerando-se que a influência do espaçamento é mais expressiva no crescimento em diâmetro do que em altura. O planejamento da densidade de plantio também deve visar a obtenção do máximo de retorno por área.

Se, por um lado, a densidade for muito baixa, as árvores não aproveitarão todos os recursos como água, nutrientes e luz disponíveis e, por conseqüência, haverá menor produção por unidade de área; mas por outro lado, se a densidade de plantio for muito elevada, tais recursos não serão suficientes para atender a demanda do povoamento, o que também repercutirá no decréscimo de volume e na própria qualidade das árvores.

Normalmente os plantios são executados com espaçamentos variando entre 3x2 e 3x3 metros, os quais favorecem os tratos culturais mecânicos. Empresas integradas destinam a madeira dos primeiros desbastes para energia ou celulose, e as árvores remanescentes do povoamento, com porte mais expressivo, são utilizadas para a fabricação de serrados ou para a laminação.

 

Características dos Espaçamentos:

Espaçamentos maiores (densidade baixa)

produção em volume individual

menor custo de implantação

maior número de tratos culturais

maior conicidade de fuste

desbastes tardios

Espaçamentos menores (densidade alta)

produção em volume por hectare

rápido fechamento do dossel (menor número de tratos culturais)

menor conicidade do fuste

desbaste precoce

Quanto à forma dos espaçamentos, os quadrados ou retangulares são os mais indicados e praticados, podendo ser bastante apertados para produção de madeira para fins energéticos, ou mais amplos, quando se deseja matéria-prima para fins de fabricação de papel e celulose ou serraria e laminados.

Operações do Manejo              

A produção de um maciço florestal depende dos fatores genéticos das espécies e sementes utilizadas, da capacidade do sítio e das técnicas de manejo adotadas. Após o plantio, a produção florestal pode ser influenciada pelos fatores:

1. Melhoramento das condições ambientais, como adubações controle de pragas e competição por ervas daninhas.

2. Diminuição da população original, através de desbastes, disponibilizando melhores condições de luz, nutrientes e água às plantas.

3. Aprimoramento da qualidade das árvores, através da poda.

Tratos Culturais Existem dois problemas imediatos após o plantio: a mortalidade das mudas e o crescimento extremamente lento ou crescimento travado.
Algumas semanas após o plantio, faz-se uma estimativa sobre o número das mudas que estão mortas.

Por exemplo, em um plantio onde uma em cada 5 mudas está morta, significa que há uma porcentagem de sobrevivência de 80% ou uma mortalidade de 20%. Se a mortalidade das plantas apresenta-se muito alta, é preciso efetuar o replantio nos espaços livres.

É necessário tomar cuidado com a demora do replantio, pois certos atrasos podem causar às mudas replantadas desvantagens permanentes, em crescimento e desenvolvimento.
São vários os fatores que influenciam a sobrevivência das mudas no início do plantio:

A habilidade dos operários durante o plantio, a firmeza do solo ao redor das raízes e a profundidade das covas.

As condições meteorológicas após o plantio.

A qualidade das sementes, mudas com raiz nua ou mudas em embalagem.

Condições desfavoráveis do solo, como superfície alagada ou erosão.

Ataque de formigas, cupins ou fungos.

Competição de ervas daninhas.

Danos causados por animais (criação intensiva, etc.).

As mudas destinadas ao replantio devem ser de boa qualidade, um pouco maior que o normal e com raízes bem desenvolvidas. O crescimento lento e deficiente, mesmo sem a ocorrência de pragas, pode ocorrer em qualquer período.

Normalmente acontece antes do fechamento do dossel. Como aspectos visíveis: a má formação das acículas ou folhas e um crescimento anual de 1 ou 2 cm; contudo, existem vários fatores podem causar esta deficiência em crescimento e desenvolvimento:

Seleção errada das espécies.

Deficiência de nutrientes.

Drenagem insuficiente do solo ou lixiviação excessiva.

Problemas no solo, como compactação, erosão.

Deficiência ou ausência da associação micorrízica.

Capinas insuficientes, criação intensiva de animais, e outras.

Através de uma correta adubação, pode-se conseguir melhorar as condições dos solos empobrecidos ou compactados, enriquecer os solos, favorecer o crescimento das mudas, aumentar a resistência das plantas contra fungos, insetos e doenças. A adubação é recomendada, conforme os resultados das análises de solo realizadas em laboratório e de acordo com as exigências da espécie selecionada.

Importância dos Nutrientes mais utilizados na Adubação em Plantios Florestais

Nutriente

Importância

Nitrogênio (N)

É o elemento mais importante para a elaboração de substâncias no interior da célula e na clorofila, sendo portanto fundamental para os processos vitais da planta.

Fósforo (P)

Mantém o crescimento das raízes, da inflorescência e das sementes, favorece o processo de lignificação e é importante para a atividade da microflora e microfauna do solo.

Potássio (K)

Influencia a atividade das enzimas, regula o balanço de água das plantas e é componente indispensável para a constituição da celulose e do processo de lignificação.

Cálcio (Ca)

Atua como regulador dos nutrientes das plantas, protege a formação da clorofila, tem importância como elemento da estrutura das plantas e é um bom desacidificador do solo.

Magnésio (Mg)

Atua na formação das clorofilas e conseqüentemente tem influência na fotossíntese.

 

Em relação à limpeza do terreno, para evitar a competição de água, luz e nutrientes pelo mato e por ervas daninhas, há o método manual, através de coroamentos e roçadas; o mecânico, através de gradeação superficial, e o químico, através da aplicação de herbicidas.

Sempre que houver a competição por mato ou ervas daninhas, independente da época, deve-se fazer a limpeza. Principalmente na época de crescimento (primavera), o plantio deve estar isento destes problemas para facilitar e estimular um bom desenvolvimento, sem a competição.

Desbastes              

Os desbastes são executados com diferentes finalidades, entre elas: o aumento da produção volumétrica, a melhoria da qualidade do produto final e para acelerar o retorno dos investimentos, diminuindo os riscos do projeto.
Os métodos de desbaste são:

Seletivo: tem por objetivo a seleção e a proteção das melhores árvores pela eliminação da competição com as árvores vizinhas. São classificados em:

Desbastes baixos - visam a supressão apenas de árvores dominadas (árvores que apresentam copas raquíticas comprimidas ou unilateralmente desenvolvidas), sendo empregados com bastante freqüência em povoamentos de Pinus. É a forma mais comum de desbaste seletivo. O resultado é um povoamento com um estrato apenas de árvores dominantes e codominantes.

Desbastes altos - visam a retirada principalmente de árvores codominantes (árvores que apresentam copas formadas, mas fracas, em desenvolvimento) dando às dominantes melhores condições de sobrevivência e crescimento.

Sistemático: neste desbaste não se leva em consideração a classe da copa nem a qualidade das árvores a serem retiradas. Normalmente são retiradas linhas inteiras de árvores; sendo assim, o peso do desbaste dependerá do número de linhas retiradas.

Seletivo-sistemático: neste caso corta-se, a cada número fixo de linhas, uma linha inteira e nas linhas que ficam faz-se um desbaste seletivo, de onde se retiram as piores árvores (finas, bifurcadas, quebradas).

Graus de intensidade dos desbaste

Desbaste baixo

Leve

Elimina além das árvores doentes, as oprimidas.

Moderado

Retira árvores doentes e dominadas.

Forte

Árvores doentes, dominadas e algumas dominantes e codominantes.

Muito forte

O povoamento fica somente composto por árvores com boa forma de fuste e copa, com bom espaço para crescimento e com distribuição simétrica no sítio.

 

Desbaste alto

Leve

São retiradas todas as árvores mortas, esmorecidas e doentes. Além destas, eliminam-se algumas árvores das classes dominantes, para aumentar o espaço vital dos elementos deste grupo.

Forte

As árvores do corte final são em geral selecionadas. Beneficia um certo número de árvores de melhor incremento do povoamento.

           

           Outros métodos de desbastes que são utilizados:

Arruda Veiga: para este método, existe um limite máximo de assimilação dos fatores disponíveis como luz, água e nutrientes em relação à área basal do povoamento.

Deichmann: método desenvolvido especificamente para povoamentos de Araucaria angustifolia. Baseia-se no espaço ocupado pelo crescimento.

Pré-selecionado: consiste na seleção de árvores que ficarão para o corte final. O intervalo entre os desbastes, de aproximadamente três anos, sempre retirando as árvores mais próximas das selecionadas, visa dar melhor condição de luz, água e nutrientes às selecionadas.

Podas              

A poda, que também é designada por derrama, desrama ou derramagem, é a supressão e o corte de galhos ou ramos ao longo do fuste, sendo uma alternativa viável para obtenção de madeira e produtos de alta qualidade, sem ocorrência de nós.
Nó é o ponto de inserção de um ramo no fuste da árvore. Nesse local as fibras sofrem um desvio de direção, afetando o valor tecnológico da madeira pela sua inserção, forma, sanidade e localização. Há vários tipos de nós, conseqüências da não efetivação da poda, ou de podas bem ou mal conduzidas.

Nó vivo: é aquele que faz parte da madeira em conseqüência de poda bem conduzida. O corte do galho é rente à casca, permitindo uma boa cicatrização. A madeira apresentará desenhos característicos que agregam beleza e valor comercial.

Nó soltadiço: nó aparentemente solto, mas que não é possível retirar com a pressão dos dedos. Afeta negativamente a qualidade do produto.

Nó morto ou solto: pode cair com a pressão dos dedos. Restringe o uso da madeira para fins menos nobres.

A poda pode ser natural, ou seja, ao longo do tempo, conforme fatores genéticos e densidade do plantio, os galhos secam e caem. A desrama natural, geralmente, é bastante eficiente em florestas de eucalipto.

A desrama natural pode ser acelerada pelo manejo da densidade do povoamento, embora com sacrifício do crescimento em diâmetro. O processo mais simples consiste em desenvolver e manter um estoque inicial denso o que, além de manter os galhos inferiores pequenos, causa-lhes também a morte. Geralmente, isso representa o melhor meio para condução de povoamentos de eucalipto, pois não só estimula a desrama natural, como também impede que os troncos se tornem curvos e engalhados.

 Já a poda artificial vem a ser a operação de corte dos galhos, objetivando a produção de "madeira limpa", ou seja, isenta de nós, em rotação mais curta que a exigida com desrama natural, e também para prevenir a formação de nós soltos, produzindo madeira com nós firmes, mas não necessariamente limpa. A poda artificial, além de evitar a ocorrência de nós que desvalorizam a madeira, também apresenta as seguintes vantagens:

Evitar a presença de nós na madeira.

Beneficiar o controle e combate a incêndios.

Facilitar os trabalhos de relascopia e manejo.

Há, entretanto, alguns danos causados pela poda artificial: em galhos muito grossos, pode ocorrer a formação de bolsas de resina, prejudicando a qualidade da madeira, e na poda de galhos verdes poderá ocorrer o ataque de fungos e bactérias, causando o apodrecimento das pontas dos galhos.

Quando a finalidade da madeira a ser obtida for para laminados, faqueados e serraria, a poda se torna necessária. Já para madeiras destinadas para aglomerados e fábrica de papel e celulose, a poda é dispensada.

 O DAP é o fator decisivo para determinar o momento adequado para a execução da poda. É indicado podar as melhores árvores em diâmetro, que possuam:

Fuste sem bifurcações.

Galhos finos.

Copa bem desenvolvida.

Ausência de doenças ou pragas.

É importante ressaltar que a parte mais valiosa da madeira (seu volume) está concentrada na parte inferior do fuste. Portanto, a altura da poda deve ser de no mínimo 5 metros e não mais que 10 metros do solo.
Tipos de poda:

Poda seca: os galhos mortos e secos são eliminados. Pode ser realizada em qualquer período do ano.

Poda verde: os galhos vivos, na maior parte da área com sombra da copa viva, são eliminados. É importante ressaltar que esta poda, realizada fortemente, pode provocar perdas de crescimento na altura e no diâmetro da árvore; por isso, deve atingir no máximo, um terço da copa viva. A melhor época para proceder esta poda é a de menor crescimento vegetativo, em que a cicatrização é mais rápida.

Procedimento da Poda

Em função dos tipos de equipamentos (poda manual ou com máquinas), uma árvore sempre deverá ser podada no sentido horário, com o intuito de ter o corte mais perto possível da casca. O corte deve ser em um único golpe, para não arrebentar o resto do galho.

Proteção Florestal   

Pragas e Doenças
  Incêndios

Pragas e Doenças              

As pragas que representam a maior importância econômica são: as formigas cortadeiras em primeira instância, que ocorrem e devem ser controladas durante toda a fase do projeto; em segunda, no caso de plantios de eucalipto, pode-se considerar os cupins, na fase mais juvenil, e as lagartas, como a Thyrinteina arnobia na fase mais adulta, principalmente.

Outra praga comum e causadora de sérios problemas é causada pelo fungo Puccina psidii Winter (ferrugem do eucalipto). A primeira ocorrência da ferrugem, causando danos, aconteceu no Espírito Santo, nos anos 70, em plantios de Eucalyptus grandis, com idade inferior a dez anos. Além de ocorrer em mudas de viveiro, a ferrugem pode atingir também plantas jovens no campo até os dois anos de idade, reduzindo a produtividade da cultura e podendo levar à morte os indivíduos mais debilitados.

Em relação aos plantios de pinus, o macaco-prego (Cebus apella), vem causando danos consideráveis. O macaco-prego ocorre em praticamente em toda a América do Sul, a leste dos Andes, apresentando uma grande adaptabilidade às condições ambientais e uma grande diversidade comportamental. Tem o hábito de arrancar a casca das árvores para alimentar-se da seiva, que tem sabor doce. Ao romper a casca, a árvore fica sem proteção e a circulação da seiva é interrompida. A árvore fica extremamente debilitada e suscetível ao ataque da vespa-da-madeira, que, em termos de danos econômicos, é uma das principais pragas. Outra praga que vem causando danos é o pulgão ( Cinara pinivora e Cinara atlantica) que hoje, ocorre em várias regiões de Santa Catarina, Paraná e São Paulo.

O controle de formigas cortadeiras pode ser desenvolvido como citado anteriormente, e para o controle de lagartas tem se usado muito o lagartecida biológico, que tem como agente a bactéria Bacillus thuringiensis, cujos nomes comerciais são o Dipel e o Bac control.

Fonte: AMBIENTEBRASIL

   
       
 
10/08/2012 - Reflorestamento (Celulose)
06/01/2009 -  O que é reflorestamento 2
17/09/2008 - Reflorestamento-Definição
03/04/2008 - Reflorestamento - Mata Ciliar
26/10/2007 - O que é Reflorestamento 1
23/10/2007 - Manejo de Reflorestamento
30/08/2007 - Reflorestamento é melhor que biocombustivel
16/08/2007 - Reflorestamento/Florestamento
25/04/2007 - Reflorestamento

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados