O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Destruição do meio ambiente pode desencadear novas pandemias
Tamanho da letra

Relatório da ONU alerta para o surgimento de novos surtos de doenças zoonóticas caso os países não tomem medidas para frear exploração das reservas verdes

“Se continuarmos explorando a vida selvagem e destruindo os ecossistemas, podemos esperar um fluxo constante de doenças”.

Foi com estas palavras que a diretora-executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Inger Andersen, fez um apelo para que os países não abandonem as pautas sobre questões ambientais mesmo em meio à crise causada pela pandemia do coronavírus.

Publicado em 7 de julho, o novo relatório da ONU traz um alerta para o surgimento de novos surtos de doenças zoonóticas caso os países não tomem medidas.

Isso, segundo a organização, só poderá ser feito se a humanidade colocar um freio na destruição das reservas verdes.

Apesar do apelo, já vivemos um paradoxo.

A Amazônia, por exemplo, registrou no primeiro trimestre deste ano um crescimento de 51,45% no número de alertas de desmatamento.

Além desta realidade, nos próximos anos debates e investimentos sobre meio ambiente podem ser enfraquecidos por conta da crise de saúde.

Mesmo atual e necessário, o tema também não parece ser urgente para a maioria dos brasileiros.

Uma pesquisa feita em julho mostrou que, embora 85% dos entrevistados defendam que o governo deve priorizar o meio ambiente, 41% dos ouvidos admitiram que o assunto não está na sua própria lista pessoal de prioridades.

Pandemia pode se tornar “desculpa”

Professora da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e integrante do painel da ONU sobre mudanças climáticas, Regina Rodrigues acredita que a crise poderá ser uma “desculpa” para que os gestores não invistam em políticas mais sustentáveis.

A especialista também afirma que o período também poderá mitigar o interesse em buscar soluções e estudos para frear o desmatamento, queimadas e outras ações humanas.

“O que está acontecendo é que toda a preocupação está na Covid-19, e esse problema não vai facilitar o discurso para esses investimentos [sustentabilidade e o meio ambiente]”, observou a professora, ao citar a diminuição também nos investimentos em educação científica.

“Infelizmente, com a queda econômica, menos dinheiro vai ser investido. E muitos países, inclusive, vão usar isso como desculpa para não investir mais, até na educação, como é o nosso caso”, acrescentou.

Há duas semanas, a UFSC anunciou que pode ter R$ 26 milhões cortados do seu orçamento para o próximo ano.

O motivo é a previsão de uma queda de 18,2% no orçamento.

No país, o corte no Ministério da Educação será de R$ 4,2 bilhões em 2021.

No projeto de lei do Orçamento para 2021, o governo pode ainda enxugar o orçamento do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

Foto:Ibama/Fotos Públicas/Arquivo/ND
Fonte: Caroline Borges, Florianópolis/ND+




   
       
 
28/08/2020 - A cidade de Sidney, na Austrália, agora é alimentada com energia 100% renovável
28/08/2020 -  Forças Armadas regulamentam uso e manejo de animais silvestres do Exército
28/08/2020 - Dicas Sobre Regularização de Poços Artesianos
28/08/2020 - Brasil tem primeira linha de produtos carne carbono neutro
28/08/2020 -  A importância dos móveis sustentáveis para o meio ambiente
28/08/2020 - Destruição do meio ambiente pode desencadear novas pandemias
26/08/2020 - Do Lixo ao Luxo, conheça o projeto da jovem de Atibaia que troca bitucas de cigarro por cortes de cabelos e outros serviços
23/08/2020 - Veículos elétricos estão no centro do plano de recuperação da indústria automotiva da França pós-pandemia
23/08/2020 - O homem e o meio ambiente: como a natureza evoluiria sem nós?

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados