O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Sibéria: o local mais frio do mundo registou temperaturas de 38 graus este mês
Tamanho da letra

Um anticiclone no leste da Sibéria fez subir os termómetros na cidade russa de Verkhoyansk, um dos lugares mais frios do planeta, até aos 38 graus, informaram fontes meteorológicas russas.

As cidade de Verkhoyansk e Oymyakon, são conhecidas como os dois lugares mais frios do mundo, onde as temperaturas podem cair para mais de 67 graus abaixo de zero.

Segundo as autoridades, a situação atual em Verkhoyansk, onde as altas temperaturas foram registadas este fim de semana, deve-se a um “anticiclone oriental”.

Ao mesmo tempo, o serviço meteorológico de Yakutia, onde estão localizadas as duas “capitais frias” do mundo, relembrou que nesta parte da Sibéria as temperaturas podem subir até aos 30 graus no verão, mas essa situação normalmente ocorre em julho , e não em junho.

Na semana passada, o Serviço Meteorológico da Rússia alertou que as temperaturas na Sibéria nos próximos dias excederiam a norma em mais de 10 graus e, se essa situação persistir, aumentará o risco de incêndios florestais na região.

Também o Serviço de Alterações Climáticas da Copernicus (C3S) alertou na semana passada sobre temperaturas extraordinariamente altas na Sibéria, com valores de superfície 10 graus acima da média para essa parte do mundo.

De acordo com o C3S, uma das causas do enorme derramamento de diesel que ocorreu na central termoelétrica de Norilsk, localizada no Círculo Polar Ártico, pode ser devido à quebra excepcionalmente precoce do gelo nos rios da Sibéria e ao permafrost abaixo dos suportes do tanque, como observado pela imprensa russa.

A cientista sénior do C3S, Freja Vamborg, observou que “é certamente um sinal alarmante”.

No entanto, não foi apenas agora que foram registadas temperaturas excepcionalmente quentes na região, de acordo com a cientista, porque “durante todo o inverno e primavera houve períodos repetitivos de temperaturas do ar na superfície acima da média”.

Segundo Vamborg, apesar do aquecimento do planeta, “o fenómeno não aparece uniformemente em todo o planeta, e a Sibéria ocidental” destaca-se como uma região com maior tendência ao aquecimento, com maiores variações de temperatura “.

Isto significa que “grandes anomalias de temperatura não são inesperadas. No entanto, o que é incomum nesta região é quanto tempo as anomalias persistem ”, segundo o cientista do C3S.

Fonte:

 

   
       
 
28/08/2020 - A cidade de Sidney, na Austrália, agora é alimentada com energia 100% renovável
28/08/2020 -  Forças Armadas regulamentam uso e manejo de animais silvestres do Exército
28/08/2020 - Dicas Sobre Regularização de Poços Artesianos
28/08/2020 - Brasil tem primeira linha de produtos carne carbono neutro
28/08/2020 -  A importância dos móveis sustentáveis para o meio ambiente
28/08/2020 - Destruição do meio ambiente pode desencadear novas pandemias
26/08/2020 - Do Lixo ao Luxo, conheça o projeto da jovem de Atibaia que troca bitucas de cigarro por cortes de cabelos e outros serviços
23/08/2020 - Veículos elétricos estão no centro do plano de recuperação da indústria automotiva da França pós-pandemia
23/08/2020 - O homem e o meio ambiente: como a natureza evoluiria sem nós?

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados