O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Número de onça-pintadas volta a crescer na mata atlântica; diz censo
Tamanho da letra

Pesquisadores brasileiros e argentinos acabam de divulgar o resultado de um novo censo que totalizou 105 onças-pintadas na Mata Atlântica, 16% a mais que o censo anterior.

 As onças-pintadas, que quase desapareceram nos anos 90 por causa dos caçadores, voltam a ser vistas no parque nacional onde ficam as Cataratas do Iguaçu.

Pesquisadores brasileiros e argentinos acabam de divulgar o resultado de um novo censo que totalizou 105 onças-pintadas na Mata Atlântica, 16% a mais que o censo anterior. Um dos motivos é o equilíbrio ambiental.

 O censo é feito desde 2009 numa área de 380 mil hectares de Mata Atlântica na fronteira dos dois países.

“Esse projeto, esse esforço, mostra que isso é possível. É possível ficar bem para as pessoas e bem para as onças”, disse a coordenadora do Projeto Onças do Iguaçu, Yara Barros, ao JN.

E os tipos de onças tem variado.

Os queixadas, por exemplo, espécie de porco selvagem, reapareceram. E renderam imagens inéditas com a ninhada.

“O queixada é uma espécie que foi considerada extinta nessa região há 20 anos. É um item alimentar muito importante pra onça-pintada, e eles estarem voltando pro parque, estarem de volta é importante pra gente, é importante pras onças, a gente tá super feliz”, diz Yara Barros.

Como

Biólogos e especialistas em meio ambiente estudam a maior área remanescente de Mata Atlântica do sul do Brasil, o parque nacional onde ficam as Cataratas do Iguaçu. Guiados por GPS, eles procuram animais que receberam uma coleira de monitoramento.

Quando não é possível localizar por satélite, os pesquisadores contam com um aparelho que recebe um sinal de rádio transmitido pelo equipamento do animal.

Desse jeito dá pra saber que caminhos a onça costuma fazer, e tentar registrar os hábitos do bicho.

A vigilância é feita por câmeras com sensores, disparados por movimentos.

“Esses são os nossos olhos. A gente diz que é o ‘Big Brother’ da floresta”, brinca a bióloga Vania Foster.

Com informações do JN

Fonte: 010 - sonoticiaboa /
News Rondonia

   
       
 
05/12/2019 - Em audiência, Célio Studart defende fim da matança de jumentos para consumo
05/12/2019 - Número de onça-pintadas volta a crescer na mata atlântica; diz censo
05/12/2019 - *O papel econômico e ambiental do sucateiro
05/12/2019 - Prefeitura contrata consultoria para trazer cemitérios ao século XXI
05/12/2019 - Semicondutores degradáveis e que esticam para aplicações de saúde e meio ambiente
05/12/2019 - Uber do entulho' ajuda no descarte adequado de resíduos
03/12/2019 - Filme biodegradável feito com fécula do cará pode reduzir uso de plástico na Amazônia
03/12/2019 - 300 milhões de pessoas ameaçadas por alta dos oceanos: “evolução do clima é irremediável”
03/12/2019 - Energia solar cresceu mais entre empresas no Brasil em 2019

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados