O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Prefeitura contrata consultoria para trazer cemitérios ao século XXI
Tamanho da letra


Jazigo sob a luz do sol no cemitério mais antigo de Campo Grande, o Santo Antônio

Cemitério Santo Amaro em Campo Grande

São Sebastião, Santo Amaro e Santo Antônio precisam se adequar às legislações ambientais

O primeiro cemitério público de Campo Grande, o Santo Antônio, foi erguido em 1914 na Avenida da Consolação, coração da cidade.

Agora, esse local e mais dois cemitérios precisam entrar no século XXI.

Para isso, a Prefeitura contratou uma empresa de consultoria ambiental.

O objetivo é fazer as adequações necessárias para que o Santo Antônio, o São Sebastião e o Santo Amaro consigam os licenciamentos ambientais.

Para isso precisam ter as normas adequadas quanto à contaminação de lençóis freáticos, poços de captação de água subterrânea e manutenção de resíduos sólidos.

A Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos) licitou a consultoria por R$ 362.203,56, mas a Sol Brasil Soluções Ambientais venceu o certame por R$ 136.350.

Características Localizado na Avenida Coronel Assaf Trad, no Coronel Antonino, o cemitério São Sebastião é o mais novo dos três. Foi fundado em 1970 e tem 14 hectares e 29.450 sepulturas.

O mais antigo, cemitério Santo Antônio, é o menor. Com 4 hectares, tem 14.544 sepulturas.

O Santo Amaro fica na Avenida Presidente Vargas, no Bairro de mesmo nome e é o maior deles.

Fundado em 1961, tem 27 hectares e 43.041 sepulturas.

A empresa deverá assessorar e fazer o acompanhamento técnico de todas as adequações com supervisão de profissional de arquitetura e engenharia.

Os cemitérios precisam se adequaràs resoluções número 335, 368 e 402 do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e também à lei municipal de licenciamento ambiental, de 1999.

Os cemitérios precisam regularizar os poços de captação de água subterrânea e o plano de controle ambiental (que inclui projeto de sistema de coleta, tratamento e disposição final de efluentes domésticos).

Além disso, precisam ter proposta para aumentar a chamada cortina arbórea.


Foto:Kisie Ainoã / Arquivo/Campo Grande News
Fonte:Campo Grande News

   
       
 
05/12/2019 - Em audiência, Célio Studart defende fim da matança de jumentos para consumo
05/12/2019 - Número de onça-pintadas volta a crescer na mata atlântica; diz censo
05/12/2019 - *O papel econômico e ambiental do sucateiro
05/12/2019 - Prefeitura contrata consultoria para trazer cemitérios ao século XXI
05/12/2019 - Semicondutores degradáveis e que esticam para aplicações de saúde e meio ambiente
05/12/2019 - Uber do entulho' ajuda no descarte adequado de resíduos
03/12/2019 - Filme biodegradável feito com fécula do cará pode reduzir uso de plástico na Amazônia
03/12/2019 - 300 milhões de pessoas ameaçadas por alta dos oceanos: “evolução do clima é irremediável”
03/12/2019 - Energia solar cresceu mais entre empresas no Brasil em 2019

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados