O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Semicondutores degradáveis e que esticam para aplicações de saúde e meio ambiente
Tamanho da letra


Estas são as fibras semicondutoras biocompatíveis, flexíveis e degradáveis.

Semicondutores flexíveis e degradáveis

Para integrar perfeitamente a eletrônica ao mundo natural, são necessários materiais que possam ser esticados, para se conformar às coisas vivas, e que sejam degradáveis - por exemplo, dispositivos médicos flexíveis que não apenas se adaptem às superfícies dos órgãos internos, mas que se dissolvam e desapareçam quando não forem mais necessários.

Helen Tran e seus colegas da Universidade de Stanford, nos EUA, desenvolveram justamente isso: Semicondutores extensíveis e degradáveis que poderão encontrar aplicações nas áreas de saúde e em monitoramento ambiental, apenas para citar as mais óbvias.

Os semicondutores, que são componentes essenciais de todos os computadores e demais equipamentos eletrônicos, têm propriedades que os colocam em algum lugar entre os condutores - que conduzem a energia elétrica - e os resistores - que bloqueiam a energia elétrica.

Atualmente, a maioria dos semicondutores é feita de silício ou outros materiais inorgânicos rígidos.

Tem havido muitas tentativas de fabricar semicondutores flexíveis e degradáveis, usando diferentes abordagens, mas os produtos resultantes ainda não se degradam completamente ou apresentam uma redução no desempenho elétrico quando são esticados.

Tran lidou com os dois problemas combinando um polímero orgânico similar a uma borracha com um semicondutor

Borrachas semicondutoras

Para produzir seu novo material, os pesquisadores sintetizaram e misturaram os dois polímeros degradáveis, que se automontaram em nanofibras semicondutoras incorporadas em uma matriz elástica.

Os filmes finos feitos dessas fibras podem ser esticados até o dobro do seu comprimento normal sem se partir e sem comprometer seu desempenho elétrico.

O semicondutor também não se mostrou tóxico para células humanas cultivadas em uma placa de Petri.

Segundo os pesquisadores, este é o primeiro exemplo de um material que possui simultaneamente as três qualidades de semicondutividade, elasticidade intrínseca e degradabilidade total.

Mas nem tudo está pronto para aplicações médicas: O novo material se degradou completamente em 10 dias quando posto em um ambiente ácido fraco, mas provavelmente levaria muito mais tempo no corpo humano.

Bibliografia:

Artigo: Stretchable and Fully Degradable Semiconductors for Transient Electronics
Autores: Helen Tran, Vivian Rachel Feig, Kathy Liu, Hung-Chin Wu, Ritchie Chen, Jie Xu, Karl Deisseroth, Zhenan Bao
Revista: ACS Central Science
DOI: 10.1021/acscentsci.9b00850

Imagem: Helen Tran et al. - 10.1021/acscentsci.9b00850]
Fonte:Inovação Tecnológica

   
       
 
05/12/2019 - Em audiência, Célio Studart defende fim da matança de jumentos para consumo
05/12/2019 - Número de onça-pintadas volta a crescer na mata atlântica; diz censo
05/12/2019 - *O papel econômico e ambiental do sucateiro
05/12/2019 - Prefeitura contrata consultoria para trazer cemitérios ao século XXI
05/12/2019 - Semicondutores degradáveis e que esticam para aplicações de saúde e meio ambiente
05/12/2019 - Uber do entulho' ajuda no descarte adequado de resíduos
03/12/2019 - Filme biodegradável feito com fécula do cará pode reduzir uso de plástico na Amazônia
03/12/2019 - 300 milhões de pessoas ameaçadas por alta dos oceanos: “evolução do clima é irremediável”
03/12/2019 - Energia solar cresceu mais entre empresas no Brasil em 2019

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados