O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Governo pode alterar lei ambiental e começar a exportar árvores nativas
Tamanho da letra

O governo brasileiro está estudando alterar as leis ambientais para começar a exportar árvores nativas “in natura”, ou seja, sem nenhum tipo de beneficiamento, para outros países.

Hoje ilegal, a prática está na pauta dos membros do governo e, segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, pode passar a ser permitida em um futuro próximo.

Segundo as regras ambientais atuais, hoje o único tipo de madeira que pode ser exportada pelo País em sua forma natural, ou seja, logo após o corte, é a do tipo exótico, como o pinus e o eucalipto.

Para isso, os produtores precisam conseguir somente autorização dos Estados.

Para as árvores nativas, tal tipo de comercialização é proibida.

A reportagem do Estado de S.Paulo revelou que a liberação das árvores nativas é bem vista dentro do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e também por membros do ministério do Meio Ambiente.

Marcado pela ilegalidade

O mercado da madeira no Brasil tem ligação histórica com a ilegalidade. Estima-se que 90% da exportação da matéria-prima é feita de maneira irregular.

Em relação ao mercado que é rastreado, 90% das árvores derrubadas abastecem o mercado nacional e o restante é exportado, principalmente para os Estados Unidos – compram 50% de tudo o que o Brasil negocia para fora do País.

O desmatamento é um dos assuntos que mais têm gerado críticas ao governo Bolsonaro e, segundo reportagem do Estado, o desmatamento de florestas protegidas pelo Governo Federal cresceu 84% entre agosto de 2018 e julho de 2019.

O ipê, rotulado de “novo ouro da floresta”, é o tipo de madeira mais cobiçado e é justamente dentro dessas áreas protegidas onde ele é encontrado em maior quantidade.

Na última semana, segundo reportagem de O Globo, o Ibama flexibilizou as normas de fiscalização e multa a compradores de madeira ilegal que tenha sido comercializada com base em documentos de origem florestal (DOFs) fraudados, definindo que tais compradores não poderão ser multados, a menos que haja provas de que eles sabiam antes da negociação sobre a existência dos documentos falsos.

Foto: Agência Brasil
Fonte:Eu Quero Investir!

   
       
 
05/12/2019 - Em audiência, Célio Studart defende fim da matança de jumentos para consumo
05/12/2019 - Número de onça-pintadas volta a crescer na mata atlântica; diz censo
05/12/2019 - *O papel econômico e ambiental do sucateiro
05/12/2019 - Prefeitura contrata consultoria para trazer cemitérios ao século XXI
05/12/2019 - Semicondutores degradáveis e que esticam para aplicações de saúde e meio ambiente
05/12/2019 - Uber do entulho' ajuda no descarte adequado de resíduos
03/12/2019 - Filme biodegradável feito com fécula do cará pode reduzir uso de plástico na Amazônia
03/12/2019 - 300 milhões de pessoas ameaçadas por alta dos oceanos: “evolução do clima é irremediável”
03/12/2019 - Energia solar cresceu mais entre empresas no Brasil em 2019

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados