O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Especialistas defendem políticas para redução de lixo hospitalar
Tamanho da letra


Deputado Carlos Gomes:

Hospitais afirmam que o setor está incentivando redução de resíduos e ampliação da compostagem

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 20% do lixo hospitalar gerado no Brasil é considerado perigoso, composto por contaminantes, químicos e perfurocortantes.

Para avaliar o descarte desses materiais, a Comissão de Meio Ambiente da Câmara realizou audiência pública com representantes do setor.

O diretor-presidente da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), Carlos Roberto Filho, afirmou que as regras ambientais precisam ser respeitadas, pois do contrário os lixões serão liberados de maneira descontrolada, e ressaltou a importância da reciclagem dos resíduos.

“O ponto de partida da Política Nacional de Resíduos Sólidos para qualquer resíduo gerado no país é a segregação. Então, nós temos no momento da geração a segregação do que é resíduo, que é aquele material que tem potencial de aproveitamento, recuperação, reciclagem e tratamento, do que é rejeito que não tem essa possibilidade”, disse.

Municípios
Para o representante da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Marcelo Cavalcante, é necessário promover a substituição de materiais e de processos por alternativas de menor risco, como consta na Resolução 358 do Conselho Nacional do Meio Ambiente.

Ele também considera a necessidade de ação integrada entre os órgãos federais, estaduais e municipais de meio ambiente, com o objetivo de regulamentar o gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde.

“Existem municípios em que a vigilância sanitária fiscaliza, que exigem o licenciamento sanitário de empresas de tratamento, mas não existe uma obrigatoriedade em norma federal. Se o código sanitário do município permitir e tiver, ele fiscaliza, mas a parte de tratamento e disposição final é no geral, quase 100% é órgão de meio ambiente local”, observou.

Reutilização
A representante da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Sandra Satiko, afirmou que o setor está incentivando políticas para reduzir os resíduos e ampliar a compostagem e reutilização.

Autor do pedido para a realização do debate, o deputado Carlos Gomes (Republicanos-RS) disse que é essencial a separação do lixo hospitalar, porque os riscos sanitários são altíssimos e o material é extremamente tóxico.

“É possível sim reduzir o custo com um plano bem feito, aumentando o índice de reaproveitamento e destinando esse material não contaminado para a reciclagem”, disse.

O parlamentar frisou também a necessidade de se incluir as cooperativas no gerenciamento dos resíduos produzidos pelos serviços de saúde, pois, na avaliação, isso pode reduzir, inclusive, custos.

Foto:Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Fonte: Agência Câmara Notícias



   
       
 
05/12/2019 - Em audiência, Célio Studart defende fim da matança de jumentos para consumo
05/12/2019 - Número de onça-pintadas volta a crescer na mata atlântica; diz censo
05/12/2019 - *O papel econômico e ambiental do sucateiro
05/12/2019 - Semicondutores degradáveis e que esticam para aplicações de saúde e meio ambiente
05/12/2019 - Uber do entulho' ajuda no descarte adequado de resíduos
03/12/2019 - Filme biodegradável feito com fécula do cará pode reduzir uso de plástico na Amazônia
03/12/2019 - 300 milhões de pessoas ameaçadas por alta dos oceanos: “evolução do clima é irremediável”
03/12/2019 - Energia solar cresceu mais entre empresas no Brasil em 2019
03/12/2019 - A força feminina na defesa do meio ambiente

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados