O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Cientistas desenvolvem projetos para reaproveitar o óleo que está poluindo o litoral do Nordeste
Tamanho da letra


Pesquisadores da Universidade Federal da Bahia trabalham com método para transformar o óleo em matéria-prima para a construção civil

Desde que a primeira mancha de óleo foi observada no dia 30 de agosto no estado da Paraíba, munícpios e governos tentam combater o pior desastre ambiental já registrado na região: mais de 250 locais que incluem praias e reservas ambientais já foram contaminados pelo vazamento, que ainda não tem origem oficialmente esclarecida.

 Já foram recolhidas mais de 1 mil toneladas do resíduo, mas a questão que fica é: qual será o destino desse óleo todo?

Em nota enviada à GALILEU, o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) conta que parte do material recolhido está a cargo da Petrobras e o restante do resíduo recolhido foi destinado a empresas de tratamento ligadas a governos estaduais e municipais.

“Está sendo feito um trabalho de interlocução direta com os estados afetados, articulações com o Sindicato Nacional das Indústrias de Cimento (SNIC) e com a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) para, oportunamente, realizar a destinação final ambientalmente adequada”, diz o instituto.

A indústria do cimento
Em Pernambuco, em Igarassu, no Grande Recife, o petróleo está sendo utilizado em fábricas cimenteiras, além de servir como matéria-prima para fabricar combustível usado pelas indústrias.

O processo de reaproveitamento do óleo ocorre no centro de tratamento de resíduos Ecoparque Pernambuco (CRT).

O diretor técnico do CRT, Laércio Braga Chaves, conta à GALILEU que desde sábado chegaram ao centro de tratamento mais de 18 toneladas de petróleo.

“O óleo é misturado com outros resíduos industriais que a gente recebe como papelão, papel, plástico e madeira”, diz.

Segundo Chaves, a mistura de materiais passa por um pré-triturador, segue por uma esteira e por uma peneira, saindo mais fino.

Depois, passa por outra peneira e por um triturador com mecanismo de rotação.

O resultado é uma mistura energética, conhecida como blend, formada de pequenas partículas de cinco milímetros, que depois é vendida para duas fábricas cimenteiras no estado vizinho da Paraíba.

As indústrias usam esse produto nos fornos como combustível: de acordo com especialistas, tal material conta com um maior poder de queima e substitui outro derivado do óleo usado pelas indústrias de cimento, chamado de coque.

Chaves explica que essa opção é melhor do que levar o petróleo até aterros sanitários, onde o material pode degradar o solo.

Carvão a partir do óleo
Outra alternativa para o petróleo é transformá-lo em carvão.

Com esse intuito, um projeto, ainda em andamento, está sendo realizado por pesquisadores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e em breve poderá ser replicado em larga escala.

Os pesquisadores acreditam que, graças ao método desenvolvido, será possível  aproveitar qualquer quantidade de óleo —- de10 quilos até 1 tonelada do material.

Por enquanto, foi possível transformar 60 quilos de petróleo em carvão em apenas uma hora.

A pesquisadora da UFBA, Zênis Novais da Rocha, explica à GALILEU que o processo é feito misturando o petróleo com pó de serragem, acetona e etanol (álcool comercial).

 As duas últimas substâncias servem para deixar o petróleo, que é viscoso, com uma consistência fluida.

“Isso deixa mais fácil para que o óleo escorra”, conta a pesquisadora.

“Depois, colocamos o pó de serragem para conseguir separar mais o óleo em forma de borra”.

A seguir,  é adicionado à mistura um bioacelerador.

Essa substância é criada em laboratório e serve para agilizar o processo de degradação do petróleo, alterando a composição do óleo.

Ela é fabricada adicionando um biodegradador, que descaracteriza o petróleo aos poucos, sendo posteriormente acrescentando três bioativadores e um biofinalizador, compostos que servem para começar a agilizar a reação.

Todos os ingredientes são despejados em uma máquina de construção civil conhecida como betoneira, um equipamento usado para bater cimento.

No fim, sai o carvão, que ainda passará por testes para definir o seu uso.

Da Rocha supõe que o material possa ser aplicado na construção civil, principalmente para a construção de asfalto.

A ideia para fabricar o carvão surgiu de um trabalho desenvolvido pelos pesquisadores há quatro anos.

Os especialistas desenvolveram na época bioaceleradores para degradar resíduos de alimentos crus e cozidos, além de coco verde para a produzir fertilizante orgânico.

Como o resultado foi bom, eles resolveram testar os bioaceleradores no petróleo.

A grande vantagem da tecnologia é que, segundo os pesquisadores, a composição do ingrediente não agride o solo nem a fauna e flora.

“Iremos avaliar os impactos do carvão para o solo e para as plantas, mas sabemos que a tecnologia do bioacelerador é sustentável e eficiente”, conta a pesquisadora.

Fonte: Galileu

   
       
 
02/11/2019 - Coca-Cola é classificada como a empresa líder na poluição por plásticos em relatório
02/11/2019 - Derretimento do gelo revela 5 novas ilhas no Ártico russo
01/11/2019 - Normatização da criação de abelhas sem ferrão começa a tramitar na Assembleia
01/11/2019 - Cientistas desenvolvem projetos para reaproveitar o óleo que está poluindo o litoral do Nordeste
01/11/2019 - Os insetos que podem substituir pesticidas
01/11/2019 - Por que a Alemanha investe em método para reciclar terras-raras
24/10/2019 - União Europeia anuncia 540 milhões de euros para manter oceanos limpos
24/10/2019 - O isopor se degrada mais rápido do que pensávamos
24/10/2019 - Como os impactos ambientais têm afetado a economia mundial?

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados