O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Estado americano de Washington legaliza a compostagem humana como alternativa à cremação ou enterro
Tamanho da letra


magem de computador que mostra como seria o espaço onde seria feita a compostagem humana

“Do pó vieste e ao pó retornarás”. Não há como não lembrar desta frase, que segundo a Bíblia, Deus teria dito a Adão, depois que ela e Eva comeram o fruto da árvore proibida, ao saber da lei recém-aprovada no estado de Washington, nos Estados Unidos.

O governador Jay Inslee legalizou a compostagem humana.

A partir de maio de 2020, o processo de decomposição natural de restos mortais se torna uma alternativa ao enterro ou cremação do corpo.

Segundo a empresa Recompose, que oferece este tipo de serviço, “são usados princípios da natureza para devolver nossos corpos à terra, evitar a liberação de dióxido de carbono na atmosfera e melhorar a saúde do solo

A companhia calcula que, a cada pessoa que não é cremada ou enterrada, deixa-se de emitir uma  tonelada de CO2.

“Tive a ideia quando um amigo me contou que fazendeiros ‘reciclavam’ seus animais mortos, fazendo a decomposição orgânica”, contou Katrina Spade, fundadora e CEO da Recompose, à rádio WBUR.

E como exatamente acontece o processo de compostagem humana?

Vamos lá:

– Uma mistura de matéria orgânica (lascas de madeira com carbono e nitrogênio, alfafa e palha) é depositada em um receptáculo chamado de embarcação;

– O corpo é então colocado no topo da embarcação e coberto com a mesma mistura.

Para garantir que oxigênio suficiente esteja chegando a ele, permitindo que os micróbios o decomponham, um sistema de ventilação fornece ar;

– O corpo se decompõe dentro de três a sete semanas e o que sobra são dois carrinhos de mão cheios de terra.

Depois a família pode decidir se que ficar ou não com a terra, que pode ser usada, por exemplo, para o plantio de uma árvore.

Para determinar se o processo funcionava, ele fez parte de um experimento conduzido pela Washington State University, no qual seis pessoas doaram (após o falecimento) seus corpos.

Além de mais sustentável, por evitar a emissão de gases poluentes na atmosfera, a compostagem humana é mais barata.

Nos Estados Unidos, os gastos com um enterro variam entre US$ 8 e 25 mil. Já a cremação custa cerca de US$ 6 mil e a decomposição natural, oferecida pela Recompose, sai por US$ 5 mil.

Com informações da CNN

Fotos: domínio público/pixabay e divulgação MOLT Studios
Fonte
/ Conexão Planeta

   
       
 
19/10/2019 - Fontes de energia renovável superam os combustíveis fósseis pela primeira vez
19/10/2019 - Servidores públicos de Brasília utilizarão frota de carros movidos à eletricidade
18/10/2019 - Meio Ambiente aprova 50% de papel reciclado em repartições federais
18/10/2019 - Lixo no Japão: país dá exemplo no tratamento de lixo e cuidado com o meio ambiente
18/10/2019 - Áreas verdes em condomínios horizontais contribuem para preservação do cerrado
18/10/2019 - Florestas plantadas geram estoque de 4,2 bi de toneladas de gás carbônico em 2018
17/10/2019 - Sem estratégias de conservação, araucária deve ser extinta em 2070, diz estudo
17/10/2019 - Pesquisadores criam material capaz de retardar alastramento do fogo
17/10/2019 - Florianópolis é primeira cidade brasileira a banir agrotóxicos de suas lavouras por lei

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados