O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Mata Atlântica tem o menor desmatamento em três décadas
Tamanho da letra


De toda a sua rea original, restam 12,4% de Mata Atlntica nativa distribuda em

Dados monitorados sob coordenação do Inpe apontam redução de 9,3%. Ainda assim, 113 quilômetros quadrados do bioma foram destruídos entre 2017 e 2018.

Historicamente a floresta mais devastada do país, a Mata Atlântica atingiu a menor taxa de desmatamento dos últimos 30 anos.

Entre 2017 e 2018, foram destruídos 113 quilômetros quadrados do bioma, uma queda de 9,3% em comparação com o período anterior.

Os dados, divulgados na quinta-feira (23/05) pela Fundação SOS Mata Atlântica, são resultado do programa de monitoramento feito há três décadas em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Quando foi iniciado, um campo de futebol de floresta era perdido a cada quatro minutos. 

"Conseguimos esse resultado atual no controle do desmatamento porque a sociedade se envolveu", comenta Mario Mantovani, diretor de políticas públicas da Fundação.

De toda a sua área original, restam 12,4% de Mata Atlântica nativa distribuída em "manchas" pelo país – a maior parte delas, 80%, em propriedades privadas. São cerca de 160 mil quilômetros quadrados de floresta remanescente.

Dos 17 estados brasileiros que abrigam o bioma, nove chegaram ao nível "zero" de desmatamento: Ceará, Alagoas, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraíba, Pernambuco, São Paulo e Sergipe. 

Por outro lado, Minas Gerais, Paraná, Piauí, Bahia e Santa Catarina apresentaram taxas consideradas inaceitáveis pela SOS Mata Atlântica.

"Em Minas houve muitas áreas de florestas que foram derrubadas para transformar a madeira em combustível para fornos de siderurgia", comenta Mantovani.

Com uma situação considerada "apaziguada", a Mata Atlântica conta desde 2006 com uma lei federal que detalha quais tipos de atividades são permitidos no bioma e como sua proteção deve ser feita.

Divulgado inicialmente a cada cinco anos, os dados sobre desmatamento no bioma passaram a ser conhecidos anualmente desde 2010.

"É uma ferramenta importante, que dá respostas para a sociedade acompanhar a cobertura florestal e cobrar providências", comenta Ieda Del'Arco Sanches, coordenadora técnica do programa no Inpe.

"Com a evolução da tecnologia, as imagens que analisamos não deixam dúvidas sobre o desmatamento observado pelo satélite", complementa.

Nem tudo são flores

Por outro lado, a Medida Provisória 867, que deve ser votada no Congresso até a semana que vem, pode colocar os resultados das últimas décadas em risco, segundo Mantovani.

A MP, escrita originalmente para adiar o prazo para adesão ao Programa de Regularização Ambiental (PRA) pelo proprietário inscrito no Cadastro Ambiental Rural (CAR), conforme o Código Florestal, recebeu emendas que podem levar ao aumento do desmatamento.

Das mudanças mais críticas apontadas por diversas organizações, a MP flexibiliza a obrigatoriedade de reflorestamento para aqueles que desmataram ilegalmente e dispensa a recomposição de Reserva Legal.

"Isso significa uma anistia ampla, geral e irrestrita do desmatamento ilegal que aconteceu na Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica", critica Mantovani. 

Segundo especialistas, a MP pode comprometer ainda a meta de reflorestamento que o Brasil estipulou no Acordo de Paris, em que assumiu o compromisso de recompor 12 milhões de hectares de florestas, o equivalente à metade da área do estado de São Paulo.

Um relatório recente publicado pela ONG Global Forest Watch apontou o Brasil como líder na destruição de florestas primárias no mundo em 2018.

Embora a área perdida, de 1,3 milhão de hectares, tenha sido menor que a do ano anterior, os autores do estudo, que contou com instituições como World Resources Initiative e Universidade de Maryland, apontaram que a tendência observada nos últimos anos é de aumento.

Na Amazônia, a última medição anual divulgada pelo Inpe, em 2018, revelou aumento de 13,7% no corte da floresta, o pior resultado dos últimos dez anos.

Por enquanto, os registros feitos em 2019 não apontam tendência de baixa, afirma Cláudio Almeida, pesquisador que coordena o sistema de monitoramento da Amazônia no Inpe.

"O desmatamento que observarmos nos próximos meses, que são de seca, serão decisivos para o balanço do dado anual", comenta.

Fonte:Deutsche Welle


   
       
 
24/05/2019 - Suíços adotam lojas de lixo zero
24/05/2019 - Como limpar nossos rios?
23/05/2019 - Estado americano de Washington legaliza a compostagem humana como alternativa à cremação ou enterro
23/05/2019 - Mata Atlântica tem o menor desmatamento em três décadas
23/05/2019 - ONU lança desafio nas redes sociais e site especial para Dia Mundial do Meio Ambiente
23/05/2019 -  O óculos de sol feito com lixo plástico recolhido da praia
23/05/2019 - Tratamento de esgoto doméstico com plantas é alternativa para evitar poluição dos rios
23/05/2019 - Florianópolis planeja ser a primeira cidade “Lixo Zero” do Brasil
21/05/2019 - Brasil atinge 10 mil empresas de energia solar e cerca de 20 mil empregos

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados