O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
O óculos de sol feito com lixo plástico recolhido da praia
Tamanho da letra

Apesar do problema do plástico nos oceanos ser bem nítido, muitas pessoas fingem não ver e continuam agindo como se ele não existisse.

Já outras mais conscientes, buscam alternativas não só para diminuir o uso do plástico, mas para dar um jeito no excesso de lixo que está dominando os oceanos.

Uma dessas pessoas é o argentino Malcolm Rendle, que criou a Bond Eyewear, uma marca de óculos de sol produzidos com o lixo plástico recolhido na praia.

A ideia surgiu depois de uma corrida que Malcolm fez pela Rambla del Rio de la Plata, onde ficou surpreso com a poluição que crescia a cada dia no local onde cresceu.

 

O nome da marca, Bond Eyewear, tem o intuito de criar uma conexão com a comunidade, pois a palavra “bond”, significa “ligação”.

 

O fato de pensar em utilizar o lixo para fazer óculos, tem o sentido de fazer as pessoas verem o lixo de maneira diferente, ou seja, conscientizar a população para um problema tão visível e tão óbvio, mas que muitos fingem não ver.

A notícia que em "2050 haverá mais plástico do que peixe no mar", virou apenas uma frase de efeito que não faz mais efeito algum.

Infelizmente, para as pessoas entenderem o sentido dessa frase, precisarão passar pelo problema, para só então cair em si de que precisam mudar seus hábitos.

 Até isso acontecer será tarde demais, pois as consequências dessa "cegueira ecológica" já estão sendo sofridas hoje por seres que não tem condições físicas de fazer coisa alguma, a não ser morrer por engolir o "nosso lixo" por engano.

Por isso, a ideia de Malcolm é muito bem-vinda e deve ser não só compartilhada, mas também copiada em muitas outras utilidades.

Algumas outras iniciativas utilizam materiais descartados no oceano para produzir tantas coisas, de pulseira à embalagens para produtos de limpeza, por exemplo.

Isso até que é bom para dar um fim ao plástico que já está aí, mas o ideal mesmo é parar de utilizar plástico, uma vez que grande parte da população e dos governos do planeta ainda não se preocupa com o descarte correto dele, muito menos com a sua reutilização.

Fonte:greenMe.com.br

   
       
 
19/10/2019 - Fontes de energia renovável superam os combustíveis fósseis pela primeira vez
19/10/2019 - Servidores públicos de Brasília utilizarão frota de carros movidos à eletricidade
18/10/2019 - Meio Ambiente aprova 50% de papel reciclado em repartições federais
18/10/2019 - Lixo no Japão: país dá exemplo no tratamento de lixo e cuidado com o meio ambiente
18/10/2019 - Áreas verdes em condomínios horizontais contribuem para preservação do cerrado
18/10/2019 - Florestas plantadas geram estoque de 4,2 bi de toneladas de gás carbônico em 2018
17/10/2019 - Sem estratégias de conservação, araucária deve ser extinta em 2070, diz estudo
17/10/2019 - Pesquisadores criam material capaz de retardar alastramento do fogo
17/10/2019 - Florianópolis é primeira cidade brasileira a banir agrotóxicos de suas lavouras por lei

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados