O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Noruega lidera em carros elétricos
Tamanho da letra


Um carro elétrico da Tesla em Son, cidade perto de Oslo

Carro elétrico sendo carregado na Noruega

Veículos de emissão zero representam um terço dos vendidos no país em 2018, a taxa mais alta do mundo. Incentivos generosos visam eliminar carros com motores de combustão até 2025.

Se o futuro do automóvel é elétrico, então a Noruega é o melhor lugar para se avaliar como seria esse futuro.

Num simples passeio pelas ruas de Oslo já se nota o grande número de carros da Tesla.

De fato, o país escandinavo é o maior mercado da montadora americana na Europa.

Ela exportou para lá mais de 8.600 veículos em 2018, um número que deverá aumentar muito no ano corrente, com a entrega aos clientes dos primeiros Tesla Model 3.

E não é somente essa marca: 2018 estabeleceu um recorde para os automóveis de emissão zero na Noruega.

Estes incluem não apenas elétricos movidos a bateria (BEV, na sigla em inglês), como o Tesla Model S ou o Nissan Leaf, mas também os que produzem sua própria eletricidade a bordo, a partir de uma célula de combustível a hidrogênio.

De todos os veículos registrados em 2018 na Noruega, quase um terço era de emissão zero, ante 21% em 2017, representando um aumento de 40%, segundo divulgou a Agência de Informações de Trânsito Rodoviário do país.

De um total de 2 milhões de veículos nas ruas norueguesas, cerca de 10% apresentam emissão zero.

Em comparação: a Alemanha também registrou um ano recorde para carros de emissão zero, com um aumento de 43% nas vendas.

No entanto, apenas 1% dos carros novos vendidos na principal economia da Europa em 2018 era totalmente elétricos.

O sucesso na Noruega se atribui a generosos subsídios governamentais, tanto de nível nacional como local.

Primeiramente, não recaem sobre os veículos totalmente elétricos nem o Imposto Sobre Valor Agregado (IVA) nem tarifas de compra.

Desta forma, um Volkswagen eGolf elétrico custa muito menos do que o Golf regular, a gasolina.

Além disso, municípios de todo o país incentivam os motoristas dos carros de emissão zero com descontos em pedágios, balsas e estacionamentos, carregamento elétrico gratuito e, em alguns casos, permitem também o tráfego nas faixas reservadas para ônibus.

Por fim, os veículos comuns sempre foram caros na Noruega, o que significa que o governo não precisou aumentar os impostos sobre os carros poluentes para tornar mais baratos os de emissão zero.

"As políticas de carros de emissão zero na Noruega se tornaram algo de que nossos políticos se orgulham", ressalta a professora Marianne Ryghaug, da Universidade de Ciência e Tecnologia da Noruega.

"Estamos nos tornando um palco de experimentos com transporte eletrificado, o que impulsiona as indústrias fornecedoras a inovarem ainda mais e a melhorarem continuamente a experiência do usuário."

Possivelmente uma das estatísticas mais notáveis para ilustrar o sucesso dos veículos de emissão zero na Noruega é a redução em 7% no total de vendas de carros novos.

Muitos consumidores decidiram não efetuar uma nova compra até que esteja disponível um carro de emissão zero de sua escolha, afirmou a Agência de Informações de Trânsito Rodoviário.

Benefícios devem ser reduzidos

O atual gabinete de centro-direita da primeira-ministra Erna Solberg prometeu manter os principais incentivos fiscais em vigor até as próximas eleições, em 2021.

Lentamente, no entanto, alguns dos pequenos incentivos terão de ser descartados.

Oslo, por exemplo, decidiu limitar o acesso à faixa exclusiva de ônibus para os veículos elétricos depois de muitos motoristas de ônibus reclamarem que o excesso de elétricos estava congestionando a pista.

Os donos de carros de emissão zero agora só podem usar as faixas de ônibus da capital quando não estiverem sós no veículo.

Uma mudança mais significativa ocorreu no início de 2019, com o corte da isenção de pedágio rodoviário.

Agora, os que dirigem veículos elétricos têm que desembolsar até 50% do valor pago pelos convencionais, percentagem que aumentará gradualmente nos próximos anos.

"À medida que temos mais carros elétricos nas estradas, mais cedo ou mais tarde os benefícios precisam ser reduzidos", disse a conselheira municipal Anette Solli à emissora pública norueguesa NRK.

Seu condado, Akershus, nos arredores de Oslo, está particularmente envolvido nas mudanças, pois possui uma das maiores densidades de carros de emissão zero da Noruega.

Para Solli, os incentivos fiscais são uma ferramenta que funciona.

"Temos mais carros de emissão zero, o que realmente é importante. Não acho que chegou a hora de cortar os incentivos, antes de estarmos onde queremos estar."

E a meta da Noruega é bastante ambiciosa: até 2025, nenhum carro novo vendido poderá ter motor de combustão interna.

Mas com muitos novos modelos chegando ao mercado, incluindo o Audi e-tron e o Tesla Model 3, o ano de 2019 provavelmente registrará mais um recorde de vendas.

Fonte: Deutsche Welle

   
       
 
23/05/2019 -  Estão abertas as inscrições para a 8ª Feira de Geociências de Nova Andradina
17/05/2019 - Assim a soja invade a Amazônia
17/05/2019 - Quais são as atividades industriais mais ligadas ao desmatamento?
17/05/2019 - Museus se mobilizam para salvar as espécies ameaçadas
17/05/2019 -  Cuiabá:Estado lança edital para contratar 50 analistas ambientais
16/05/2019 - Cresce a infraestrutura de carga para veículos elétricos
16/05/2019 - *Precisamos falar sobre a geoengenharia
16/05/2019 - Submarino encontra plástico no ponto mais profundo dos oceanos
13/05/2019 -  Fungo que digere plástico é apontado como alternativa de preservação do meio ambiente

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados