O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Os profundos cortes no orçamento da área ambiental
Tamanho da letra

Com um decreto publicado no fim de Março, o governo Bolsonaro cortou R$ 187 milhões do orçamento do Ministério do Meio Ambiente (MMA

A canetada retirou até 95% das verbas de programas estratégicos (lista abaixo), como de combate às mudanças do clima, gestão e uso sustentável da biodiversidade, combate a incêndios, licenciamento e fiscalização ambiental.

As informações foram obtidas pelo PSOL – Partido Socialismo e Liberdade, junto ao Sistema Integrado de Orçamento e Planejamento, do Governo Federal.

A pasta ambiental federal conta historicamente com orçamentos anuais entre os mais baixos da Esplanada dos Ministérios.

Desde 2013, seu orçamento caiu mais de R$ 1,3 bilhão, mostra um balanço das ongs WWF-Brasil e Contas Abertas.

Naquele ano, a verba prevista para a pasta foi pouco superior a R$ 5 bilhões.

Ano passado, o orçamento autorizado foi de 3,7 bilhões.

Os cortes acontecem justamente quando a área ambiental vem sendo desmontada pelo governo, com a transferência de funções, de servidores e de competências para outros ministérios.

Também são registradas perseguições aos servidores dos órgãos ambientais federais e novos ataques à legislação ambiental no Congresso.

PSOL protocolou projeto legislativo que, se aprovado, cancelará cortes orçamentários em várias pastas federais.

Principal responsável pela fiscalização ambiental no país, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pode ter seu orçamento reduzido em um quarto, como anunciou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Com o corte, seu orçamento passará de R$ 368,3 milhões para R$ 279,4 milhões. O montante não atende nem às despesas fixas da pasta deste ano, de R$ 285 milhões.

“Deve encolher a fiscalização e aumentar os desmatamentos”, disse Paulo Barreto, pesquisador do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, ao De Olho nos Ruralistas.

A fiscalização é das áreas que mais consomem recursos no órgão.

Ano passado, foram investidos R$ 101,1 milhões.

Mas, a manutenção das 27 superintendências da autarquia também deve ser afetada e isso deve se refletir nas operações de monitoramento, com a diminuição das horas de treinamento dos funcionários e redução das idas a campo.

Outras baixas orçamentárias têm origem na má gestão.

O orçamento federal, aprovado pelo Congresso em 2018 e sancionado por Bolsonaro em janeiro, prevê R$ 415 milhões em investimentos para que o país sofra menos com os efeitos das alterações climáticas.

Mas o uso de 86% dessas verbas, cerca de R$ 357 milhões, está paralisado.

Afinal, o Ministério do Meio Ambiente ainda não divulgou um plano para aplicação dos recursos, o que deveria ter acontecido até meados de Março, como informou o G1.

Da mesma maneira, por inação do órgão ambiental federal, grande volume de recursos não está sendo investido na proteção da Caatinga, do Pampa e do Pantanal, por meio do programa GEF Terrestre, e também na preservação de ambientes costeiros e marinhos, com a Iniciativa Azul do Brasil.

Ao mesmo tempo, as agendas ditas prioritárias para o MMA não tem nem metas, nem dinheiro, como lembra o Observatório do Clima.

Como repetidamente informado pela imprensa nacional e comunicado publicamente por Bolsonaro, o desmonte das políticas e ações da área ambiental federal faz parte do planejamento estratégico do atual governo.

Há poucos dias, na abertura de uma feira do agronegócio, em São Paulo, o presidente afirmou que negociou, com o ministro Ricardo Salles, “uma limpa” no Ibama e no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Cortes orçamentários nos órgãos ambientais

  • MMA
    • Iniciativas para Implementação da Política Nacional sobre Mudança do Clima com corte de R$ 11.274.719
    95% do orçamento do programa.
    • Apoio à Implementação de Instrumentos Estruturantes da Política Nacional de Resíduos Sólidos R$ 6.434.926
    83% do orçamento do programa.

    IBAMA
    • Gestão do Uso Sustentável da Biodiversidade com corte de R$ 18.747.992
    69% do orçamento do programa.
    • Avaliação de Periculosidade e Controle de Produtos, Substâncias Químicas e Resíduos Perigosos com corte de R$ 1.500.000
    60% do orçamento do programa.
    • Construção da Sede do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais – Prevfogo com corte de R$ 1.085.000
    50% do orçamento do programa.
    • Monitoramento Ambiental e Gestão da Informação sobre o Meio Ambiente e Educação Ambiental com corte de R$ 4.517.295
    50% do orçamento do programa.
    • Licenciamento Ambiental Federal com corte de R$ 3.328.117
    43% do orçamento do programa.
    • Prevenção e Controle de Incêndios Florestais nas Áreas Federais Prioritárias com corte de R$ 17.500.000
    38% do orçamento do programa.
    • Controle e Fiscalização Ambiental com corte de R$ 24.880.106
    24% do orçamento do programa.
    • Administração da Unidade com corte de R$ 28.655.365
    16% do orçamento da ação.

    ICMBio
    • Apoio à Criação, Gestão e Implementação das Unidades de Conservação Federais com corte de R$ 45.065.173
    26% do orçamento da ação.
    • Administração da Unidade com corte de R$ 15.118.383
    22% do orçamento da ação.
    • Execução de Pesquisa e Conservação de Espécies e do Patrimônio Espeleológico com corte de R$ 3.603.23
    19% do orçamento da ação.
    • Manutenção de Contrato de Gestão com Organizações Sociais (Lei nº 9.637, de 15 de maio de 1998) com corte de R$ 238.520
    17% do orçamento da ação.
    • Fiscalização Ambiental e Prevenção e Combate a Incêndios Florestais com corte de R$ 5.482.012
    20% do orçamento do programa.

     Fonte:Aldem Bourscheit /Conect@ – Jornalismo e Comunicação/ Envolverde

   
       
 
23/05/2019 -  Estão abertas as inscrições para a 8ª Feira de Geociências de Nova Andradina
17/05/2019 - Assim a soja invade a Amazônia
17/05/2019 - Quais são as atividades industriais mais ligadas ao desmatamento?
17/05/2019 - Museus se mobilizam para salvar as espécies ameaçadas
17/05/2019 -  Cuiabá:Estado lança edital para contratar 50 analistas ambientais
16/05/2019 - Cresce a infraestrutura de carga para veículos elétricos
16/05/2019 - *Precisamos falar sobre a geoengenharia
16/05/2019 - Submarino encontra plástico no ponto mais profundo dos oceanos
13/05/2019 -  Fungo que digere plástico é apontado como alternativa de preservação do meio ambiente

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados