O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
China não quer mais ser a lixeira do mundo. E agora José? Pra aonde vai o lixo?
Tamanho da letra

É natural pensar que o país mais populoso do mundo, a China, seja também o que mais produz lixo e, portanto, seja o maior poluidor do planeta.

Mas a potência oriental está mudando a situação do lixo e veja quais são as consequências disso.

A China recebe a maior parte do plástico descartado pelos demais países do mundo.

Entretanto, o governo chinês aprovou, em 2017, uma lei que proíbe a importação de plástico, papel, restos de minérios e da indústria têxtil.

A notícia parece ótima, já que isso deveria significar menos lixo sendo produzido e descartado.

Por isso, pesquisadores da Universidade da Geórgia (Estados Unidos) fizeram um cálculo sobre real impacto dessa legislação e, consequentemente, como ela afetará o descarte de plástico no meio ambiente.

O estudo, que foi publicado na revista Science Advances, chegou à conclusão de que serão deslocadas 111 milhões toneladas de plástico até 2030. Entretanto, não se sabe qual será o destino desse montante.

Tanto a China quanto Hong Kong são responsáveis pela importação de cerca de 72% de todo o lixo plástico do mundo.

Já Europa, Ásia e Américas são responsáveis por mais de 85% de todas as exportações de lixo plástico, sendo que a União Europeia é quem mais descarta esse tipo de resíduo.

Já o Brasil, segundo a BBC News, exportou para a China, em 2017, 25,3 mil toneladas de papel e 14,6 mil toneladas de resíduos e restos de metais para reciclagem, como cobre, alumínio e aço, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC).

Esse negócio é muito lucrativo para quem produz o lixo, visto que as taxas chinesas de processamento de resíduos são muito baratas – é menos custoso enviar lixo por navio para a China do que transportá-lo em caminhão ou trem para a reciclagem nos próprios países que o produzem. 

Por outro lado, para a China, há cerca de 30 anos esse negócio também tem sido lucrativo, visto que o material plástico reciclado é transformado em novos produtos de plástico, que podem ser encontrados em lojas espalhadas em qualquer lugar do mundo.

Soluções

Segundo Jenna Jambeck, uma das autores do estudo:

    "É difícil prever o que acontecerá ao lixo plástico que antes era destinado às instalações de processamento chinesas. Uma parte deverá ser exportada para outros países, mas a maior parte dos países não têm infraestrutura para gestão de seus próprios resíduos e não vão querer o lixo produzido pelo resto do mundo", informa o Estadão.

Jambeck alerta para a necessidade urgente de serem pensadas alternativas, de forma sistêmica, para a reciclagem de modo que os resíduos plásticos não acabem em aterros sanitários.

Soluções como enviar o material para outros países ou a incineração têm custos altos e não resolvem o problema da produção de lixo na raiz, além de serem poluentes.

A melhor alternativa seria combater o desperdício de produtos plásticos e, principalmente, o uso deles.
Consequências

A China, muito sabiamente, quer preservar o seu meio ambiente e, por isso, decretou a nova lei com a justificativa de garantir a proteção ambiental e de que a própria reciclagem do lixo do país já é suficiente para atender a indústria local.

A proibição, desde 2018, da importação de materiais para a reciclagem está preocupando vários países do mundo.

A Organização Mundial do Comércio (OMC), junto com os países exportadores, estão tentando negociar com a China uma dilatação de prazo e um período de transição de cinco anos, segundo a BBC.

Entretanto, de acordo com o Escritório Internacional de Reciclagem (BIR, na sigla em inglês), representante da indústria em nível global, estão sendo procurados novos mercados para o lixo reciclável, como Tailândia, Vietnã, Camboja, Malásia, Índia e Paquistão.

Isso nos faz pensar em que medida, de fato, os maiores produtores de lixo do mundo estão empenhados em resolver o problema da produção ou se apenas querem se livrar do lixo que produzem custe o que custar.

O diretor-geral do BIR, Arnaud Brunet, disse que:

    "O que eu sinto é que não haverá retrocessos, que nossa indústria tem que se adaptar, seguir as regras e encontrar opções alternativas para o longo prazo".

Tomara que assim seja e que essas alternativas não sejam apenas paliativas, mas que encarem o problema do lixo mundial de frente com o objetivo de que ele seja menos produzido

Fonte: GreenMe.com.br

   
       
 
23/05/2019 -  Estão abertas as inscrições para a 8ª Feira de Geociências de Nova Andradina
17/05/2019 - Assim a soja invade a Amazônia
17/05/2019 - Quais são as atividades industriais mais ligadas ao desmatamento?
17/05/2019 - Museus se mobilizam para salvar as espécies ameaçadas
17/05/2019 -  Cuiabá:Estado lança edital para contratar 50 analistas ambientais
16/05/2019 - Cresce a infraestrutura de carga para veículos elétricos
16/05/2019 - *Precisamos falar sobre a geoengenharia
16/05/2019 - Submarino encontra plástico no ponto mais profundo dos oceanos
13/05/2019 -  Fungo que digere plástico é apontado como alternativa de preservação do meio ambiente

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados