O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Poluição do ar interior: um risco de saúde oculto
Tamanho da letra

Estudos demonstraram uma relação entre as más taxas de ventilação e os casos de licença por asma e infecção respiratória

Respirar é uma faca de dois gumes.

É essencial para a sobrevivência, mas em alguns lugares, a qualidade do ar representa riscos significativos para a saúde.

A exposição à poluição do ar está ligada ao câncer de pulmão, ataques de asma, danos cardiovasculares, danos reprodutivos e muito mais.

Especialistas afirmam que nossa qualidade do ar melhorou notavelmente nas últimas décadas graças ao Clean Air Act, mas muitos ainda vêem muito espaço para melhorias.

De acordo com o mais recente relatório “State of the Air” da American Lung Association, 40% dos americanos vivem em estados com níveis insalubres de poluição do ar.

Cientistas, analistas políticos e defensores da saúde pública de todo o país se reuniram para discutir o estado da qualidade do ar do país em uma cúpula organizada pela revista The Atlantic em Chicago, em abril.

Grande parte do evento se concentrou em regras que governam a qualidade do ar ao ar livre e as condições de saúde que resultam da exposição a substâncias contidas em emissões veiculares e usinas termoelétricas a carvão.

Mas, de acordo com o palestrante Joseph Allen, professor de ciência de avaliação da exposição na Universidade de Harvard, a maior parte da exposição à poluição ocorre dentro – em nossas escolas, casas e locais de trabalho.

“A poluição do ar ao ar livre penetra dentro de casa. E por causa do tempo que passamos lá dentro, sua dose diária pode ser maior dentro de casa ”, disse ele

Exposição química

Poluentes originados do exterior recebem muita atenção dos reguladores e por boas razões.

Em um estudo publicado em 2013, pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology monitoraram as emissões nos Estados Unidos e descobriram que a poluição do ar causada por veículos, indústrias e outras fontes causa cerca de 200.000 mortes prematuras a cada ano.

Somente as emissões de veículos foram responsáveis ​​por 53.000 mortes prematuras – cerca de 15.000 a mais do que as causadas por acidentes de carro.

No entanto, a pesquisa demonstra que os produtos químicos que se originam dentro de casa podem ser bastante prejudiciais.

De acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA), em alguns casos, as concentrações de poluentes internos mostraram-se duas vezes mais altas que as externas.

Isso é particularmente preocupante porque passamos a maior parte do tempo – em torno de 90% – em ambientes fechados.

Alguns poluentes internos, como o gás radônio, emanam naturalmente da terra e penetram nos edifícios através de rachaduras na fundação.

As toxinas do mofo e da própria construção, como o chumbo e o amianto, são perigos que também devem ser enfrentados para proteger nosso precioso espaço respiratório.

No entanto, a maioria das toxinas internas vem de fontes que trazemos voluntariamente ao nosso meio ambiente.

Existem cerca de 82.000 produtos químicos em uso comercial e nenhum dado de saúde disponível para 85% deles.

Nos últimos anos, os pesquisadores aprenderam muito sobre os riscos associados à exposição a muitos poluentes do ar interno, mas a grande maioria permanece um mistério.

Até mesmo os produtos que usamos para supostamente melhorar o ambiente, como amaciantes de roupas, fragrâncias sintéticas e produtos de limpeza podem causar mais danos do que benefícios.

De acordo com o Environmental Working Group, o popular aromatizador ambiente Febreze contém substâncias químicas que afetam os sistemas respiratório e nervoso.

Protegendo seu espaço

O site da Harvard For Health oferece diretrizes apoiadas pela ciência sobre como criar um ambiente interno saudável.

Ao se escolher produtos que para se compartilhar em um ambiente fechado, é importante atentar para três famílias químicas de particular interesse:

Retardadores de chama: encontrados em itens como móveis e isolamento de edifícios, bem como produtos projetados para crianças, como brinquedos e assentos de carro.

Muitos desses produtos químicos são desreguladores endócrinos, substâncias químicas que comprovadamente interferem no sistema reprodutivo, na função da tireóide e em outros aspectos do sistema endócrino.

Produtos químicos resistentes a manchas: encontrados em móveis, carpetes, roupas, panelas antiaderentes e tintas, além de outros produtos projetados para repelir o óleo e a água.

Plastificantes: particularmente os ftalatos – uma classe de produtos químicos usados ​​para tornar os produtos macios e flexíveis.

Os ftalatos são encontrados em azulejos de vinil, couro artificial e até mesmo em algumas marcas de produtos para cuidados pessoais, como esmalte para unhas, sprays para cabelo e loções para a pele.

Outros poluentes comuns encontrados em ambientes fechados que representam riscos à saúde humana incluem óxidos de nitrogênio, monóxido de carbono, material particulado e compostos orgânicos voláteis (VOCs), como formaldeído, limoneno e benzeno.

Esses poluentes podem vir de emissões de impressoras, produtos de limpeza, produtos para cuidados pessoais, tintas, pesticidas e muito mais.

“Precisamos tomar melhores decisões sobre os produtos que colocamos em nossas casas – baixos teores de COV, sem uso de pesticidas e compra de móveis sem produtos químicos retardadores de chama”, disse Allen, que também é diretor do Programa de Edificações Saudáveis ​​em Harvard, onde ele investiga as conexões entre qualidade do ar interior e saúde.

Infelizmente, muitos produtos também são feitos com produtos químicos que são emitidos no ar na forma de gás – um processo conhecido como gasificação.

Devido ao impacto desses produtos químicos na qualidade do ar, Allen recomenda que os consumidores escolham materiais de escritório, móveis e outros produtos com baixa (ou nenhuma) emissão de substâncias químicas para limitar os poluentes em seu espaço aéreo interno.

Ventilação

Para piorar as coisas, nossas casas, escolas e escritórios são frequentemente construídos de tal forma que os produtos químicos tóxicos ficam presos no interior, concentrando-se em nosso espaço aéreo.

A falta de ventilação é uma das maiores razões para a qualidade do ar interior ser tão fraca, e os métodos modernos de construção são os culpados, diz Allen.

O fluxo de ar sempre foi uma consideração importante para as gerações anteriores de arquitetos.

Mas a partir da década de 1970, os construtores começaram a criar espaços que eram mais hermeticamente fechados.

Desde 2000, tem havido um esforço ainda maior para garantir que nossos edifícios permaneçam herméticos.

Essa escolha de projeto faz com que as estruturas sejam mais eficientes energeticamente e à prova de fogo, mas isso inevitavelmente prejudica a qualidade do ar para as pessoas que vivem e trabalham dentro destes locais, levando em casos graves, à chamada síndrome do edifício doente.

Com ventilação mínima, o ar não pode circular.

A poluição concentra-se em ambientes fechados e, pelo design, há pouca troca de ar fresco trazida de fora.

Como resultado, as pessoas que residem em “edifícios doentes” podem desenvolver irritação nos olhos, dores de cabeça, problemas respiratórios e outros problemas de saúde.

Praticamente todos os prédios em que vivemos – desde a cafeteria que você visitou esta manhã até o local em que você está lendo este artigo agora – são regidos por esse padrão de ventilação mínima.

Vários estudos demonstraram que as pessoas que moram, trabalham ou freqüentam escolas em edifícios com boa circulação de ar são mais saudáveis ​​e mais produtivas do que aquelas que habitam espaços pouco ventilados.

Um estudo realizado na Califórnia descobriu que os alunos se sentiam mais calmos e tinham mais atenção em salas de aula altamente ventiladas.

Os estudos também demonstraram uma relação entre as más taxas de ventilação e os casos mais altos de licença por doença de curto prazo, asma e infecção respiratória entre os ocupantes do edifício.

No interesse de manter os custos de energia baixos, a maioria dos construtores ainda tende a ventilação mínima.

Mas Allen diz que gastamos muito tempo dentro de casa para viver e trabalhar em espaços que sacrificam nossa saúde.

“Acho que é uma escolha falsa que nos é apresentada há muito tempo: energia versus saúde.Na verdade, devemos ter os dois e podemos ter os dois ”, disse ele.

Mais maneiras de melhorar a qualidade do ar

Não podemos ver ou cheirar muitas das substâncias químicas que permeiam nosso meio ambiente.

Além de indivíduos quimicamente sensíveis, a maioria de nós não pensa em nosso espaço aéreo interno até que alguém adoeça.

Mesmo assim, ainda podemos não vincular nossos problemas de saúde à qualidade do ar.

Mas podemos tomar precauções simples para garantir que nosso ar interno esteja o mais limpo possível.

Além de melhorar a ventilação e limitar a exposição a produtos químicos tóxicos para remoção de gases, certifique-se de empregar medidas simples de saúde pública.

“Lave suas mãos e tire os sapatos para não rastrear poluentes externos em sua casa”, disse Allen.

Outro passo é controlar a exposição a partículas finas em seu ambiente.

Uma maneira pela qual criamos essas partículas é quando cozinhamos.

É por isso que Allen recomenda a instalação de um sistema de exaustão em seu fogão.

“Você necessita de uma ventilação de exaustão que esteja capturando esses poluentes e enviando-os para fora”, disse ele.

“Muitas vezes, eles estão apenas enviando-os novamente para sua zona de respiração.

Para coletar essas partículas finas durante a limpeza, use um depurador com filtragem de ar particulado de alta eficiência (HEPA).

“Muitas vezes, quando as pessoas usam o depurador, elas não capturam as partículas, apenas dispersam as partículas e as transformam em partículas menores. Então você pode realmente aumentar a exposição ”, disse Allen.

A boa notícia é que essas pequenas melhorias podem ter um grande impacto.

No ano passado, Allen e sua equipe publicaram um estudo que analisou como o ambiente interno afeta nossa capacidade de pensar e processar informações.

Os pesquisadores tinham pessoas que entravam em um ambiente controlado e, a cada dia, faziam várias mudanças no ar que os participantes respiravam, depois testavam suas funções cognitivas.

“Mesmo com pequenas melhorias no ambiente, vimos melhores pontuações nas funções cognitivas”, disse Allen.

Foto:35208254/Shutterstock
Fonte: Conan Milner/ Epoch Time
s

   
       
 
24/05/2019 - Suíços adotam lojas de lixo zero
24/05/2019 - Como limpar nossos rios?
23/05/2019 - Estado americano de Washington legaliza a compostagem humana como alternativa à cremação ou enterro
23/05/2019 - Mata Atlântica tem o menor desmatamento em três décadas
23/05/2019 - ONU lança desafio nas redes sociais e site especial para Dia Mundial do Meio Ambiente
23/05/2019 -  O óculos de sol feito com lixo plástico recolhido da praia
23/05/2019 - Tratamento de esgoto doméstico com plantas é alternativa para evitar poluição dos rios
23/05/2019 - Florianópolis planeja ser a primeira cidade “Lixo Zero” do Brasil
21/05/2019 - Brasil atinge 10 mil empresas de energia solar e cerca de 20 mil empregos

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados