O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Os prós e contras de comer carne
Tamanho da letra

Mastigando o impacto sobre a nossa saúde e meio ambiente

Os seres humanos sempre comeram carne, mas será que a carne agora está ameaçando nossa sobrevivência?

Muitos governos e instituições acreditam que sim. Relatórios da Organização das Nações Unidas, da Universidade de Oxford e outros afirmam que nosso apetite por alimentos cárneos poderá em breve arruinar o planeta.

Em 2050, a população mundial deverá ultrapassar 9 bilhões de pessoas.

Antecipando o futuro próximo com os hábitos carnívoros de hoje, os especialistas temem a escassez de alimentos e a devastação ambiental.

À luz dessa ameaça, há um grande empurrão entre os formuladores de políticas para nos fazer recuar de hambúrgueres, bacon e churrasco. Como um relatório de 2010 da Organização das Nações Unidas diz, a solução está em uma “mudança substancial na dieta mundial, longe dos produtos de origem animal”.

Mas de acordo com Diana Rodgers, autora e nutricionista registrada, a carne está sendo injustamente demonizada.

Ela diz que nosso apetite por animais não é o problema, mas como os animais são criados.

Rodgers, que mora em uma fazenda orgânica a oeste de Boston, também está trabalhando em um documentário que explora as maneiras pelas quais a criação de carne pode realmente ser boa para o meio ambiente.

“As fezes de animais não são lixo, na verdade são fertilizantes e podem ser bastante valiosas para o ecossistema”, disse ela.

“Não vemos isso hoje porque armazenamos em lagoas de esterco e estamos superlotando animais em configurações de fazendas de fábrica”.

Uma vez que a produção de carne tem mostrado ser um dos principais contribuintes para as emissões de gases de efeito estufa, a pecuária é freqüentemente culpada pelo aquecimento do planeta.

Em “Comfortably Unaware”, um livro de 2011 que examina o esgotamento global em relação à escolha de alimentos, Richard Oppenlander escreve que, mesmo que pudéssemos quebrar nossa dependência de combustíveis fósseis, ainda assim não seria tão impactante quanto a adoção geral de uma dieta baseada em alimentos vegetais.

“O fator mais devastador que afeta o aquecimento global e nosso meio ambiente é causado pelo que você come”, escreve Oppenlander.

Mas Rodgers aponta para rebanhos historicamente grandes que viveram em harmonia com o meio ambiente. Considere os 30 milhões a 60 milhões de bisões que uma vez percorreram a América do Norte há 200 anos.

Ruminantes – uma palavra chique para grandes animais que incluem gado, bisão e gnus – nascem para vagar.

O movimento é essencial para sua sobrevivência, porque eles devem evitar os predadores e buscar constantemente uma fonte de alimento fresco.

O solo fertilizado que eles deixam para trás se reabastece.

A nova grama puxa o carbono pelas raízes e o devolve às bactérias do solo, que por sua vez fornecem nutrientes para a vida das plantas.

“É um sistema muito bonito. O problema é que estamos muito longe do que a natureza é ”, disse Rodgers.

A sujeira da agricultura de fábrica

Em um passado não muito distante, os animais criados para o abate desfrutavam de um estilo de vida que ainda se assemelhava ao de seus antepassados selvagens.

Mas este modelo agrícola está desaparecendo rapidamente.

Em 2015, o grupo ambientalista Food and Water Watch relatou os problemas associados ao movimento da indústria de carnes em direção a operações maiores e mais intensivas em fábricas.

A produção em massa reduz os custos, permitindo que mais pessoas tenham acesso a um determinado produto.

Entretanto, aplicar esse método de fabricação aos seres vivos é triste e devastador.

Kahn explica que os animais em fazendas industriais são espremidos em recintos apertados e negados à interação social normal.

Isso geralmente leva à agressão, então os agricultores administram rotineiramente drogas para sedar os animais.

Essas drogas eventualmente acabam nos corpos dos consumidores de carne.

Mas Kahn, que comeu uma dieta exclusivamente baseada em vegetais por mais de 30 anos, não acredita que opções alimentadas com capim e de criação livre sejam uma resposta sustentável.

“Esses chavões não respondem pela carga ambiental de uma população em expansão que come mais e mais alimentos derivados de animais”, disse Kahn.

Uma das coisas atribuídas à produção de carne é a quantidade de terra necessária para criar gado.

A justificativa para um futuro com muito menos carne é que se mais dessa terra pudesse ser dedicada a plantações em vez de animais, poderíamos alimentar mais pessoas.

Mas Rodgers diz que muitas das terras ao redor do mundo onde os animais pastam atualmente não são cultiváveis.

A maioria da África, Islândia, Noruega e outros lugares são completamente inóspitos ao modelo de monocultura da agricultura moderna.

“Pense nos mongóis”, disse ela.

“Eles têm animais em pastoreio, não tomates com efeito de estufa. Eles estão vivendo da produção de animais porque é isso que faz bem em suas terras. E eles são muito saudáveis também.”


Carne e Saúde

Outra razão pela qual as pessoas são levadas a adotar uma dieta vegetariana é que elas estão associadas a uma saúde melhor.

Estudos descobriram que pessoas que consomem uma dieta mais baseada em vegetais têm menor probabilidade de sofrer de doenças cardíacas, diabetes, câncer, derrames e outros problemas de saúde.

Como resultado, as companhias de seguros de saúde do Reino Unido e da Holanda oferecem descontos para os vegetarianos.

Mas nem todos acreditam que a história da carne como fonte de doenças é tão sólida.

No artigo “A carne é boa ou ruim para você?”, O Dr. Mark Hyman, diretor do Centro de Medicina Funcional da Cleveland Clinic, ressalta que muitos estudos associados a resultados de carne e doenças são inerentemente injustos.

Eles comparam vegetarianos preocupados com a saúde com indivíduos em uma dieta padrão americana.

Os pesquisadores concluíram que a carne é o cara mau, mas eles não conseguem controlar uma infinidade de fatores inconfundivelmente insalubres, como o excesso de açúcar, o tabagismo e um estilo de vida sedentário, tornando difícil identificar apenas uma única causa para suas doenças.

Outra consideração que Hyman indica estar ausente da maioria dos estudos é a qualidade da carne.

A carne cultivada na fábrica alimentada com grãos, por exemplo, está cheia de hormônios, antibióticos e pesticidas, com mais gorduras ômega-6 inflamatórias do milho e menos gorduras ômega-3 anti-inflamatórias.

Os estudos populacionais não identificam pessoas que comem apenas carne alimentada com capim sem hormônios, pesticidas ou antibióticos.

Dadas as circunstâncias complicadas de avaliar o impacto de um tipo de alimento, Hyman admite que é quase impossível realizar um estudo preciso da carne.

No entanto, ele sugere algumas diretrizes que nivelariam o campo de jogo: Randomize as pessoas em dois grupos.

Um grupo consumiria exclusivamente vegetais e proteínas de alta qualidade (carne alimentada com capim ou orgânica).

O outro grupo consumiria uma dieta vegana de alta qualidade.

“Alguém tem US$ 100 milhões?”, Pergunta Hyman. “Precisamos fazer esse estudo.”

 Porções e Perspectivas

Enquanto esperamos que os resultados do estudo dos sonhos de Hyman sejam implementados, podemos observar populações com dietas que já estão ligadas à longevidade.

Esses grupos de pessoas não evitam carne; eles apenas comem menos.

As “Zonas Azuis” são cinco regiões ao redor do mundo onde os pesquisadores identificaram as maiores concentrações de centenários: Ikaria, Grécia; Okinawa, Japão; Loma Linda, Califórnia; a península de Nicoya na Costa Rica; e a região Ogliastra da ilha italiana da Sardenha.

Todas essas comunidades desfrutam de exercícios regulares (incorporados em suas rotinas), uma vida social ativa e tempo para desestressar.

Eles também consomem uma dieta tradicional de alimentos predominantemente vegetais.

Todos as pessoas das zonas azuis comem alguns produtos de origem animal, mas seu consumo é mínimo – eles têm apenas algumas pequenas porções por mês, em média.

Eles também demonstram taxas relativamente baixas de doença crônica.

A campanha Meatless Monday é um esforço gentil para fazer com que nossa dieta se mova na direção da Zona Azul, longe de nossa mentalidade centrada na carne e em direção a uma abordagem mais modesta da proteína animal.

A campanha, idealizada por um ex-publicitário e fundador do Centro Johns Hopkins para um Futuro Habitável, foi iniciada em 2003 e desde então tem sido adotada por muitos ao redor do mundo.

Como o nome indica, a campanha Segunda Sem Carne é sobre se abster de carne um dia por semana.

Ela se inspira em uma época em que precisávamos orçamentar nossos recursos.

Nas duas guerras mundiais, um dia sem carne da semana foi introduzido nos Estados Unidos para racionar carne para as tropas no exterior.

Jennifer Mimkha, uma nutricionista registrada da Prana Nutrition, na Flórida, incentiva seus clientes a comer uma dieta mais baseada em vegetais.

Ela diz que as segundas sem carne são uma ótima maneira de começar.

“É uma boa maneira de molhar os pés sem comprometer toda a mudança de estilo de vida”, disse ela.

Mimkha está por trás da pesquisa, revelando problemas de saúde associados à carne, mas ela também viu em primeira mão que as pessoas que comem mais alimentos vegetais sentem-se melhor.

A razão é que grãos, feijões e vegetais contêm algo que você não encontra na carne: fibras.

“Meus clientes relatam que sentem mais energia”, disse Mimkha.

“As pessoas que tiveram problemas gastrointestinais e foram vítimas de constipação ao longo da vida, simplesmente curaram seus problemas. Isso é por causa de toda a fibra na dieta baseada em vegetais que  não existe nos produtos de origem animal. ”

Mas Rodgers ressalta que a carne também possui atributos nutricionais não encontrados nas plantas.

Por exemplo, as plantas fornecem apenas o precursor da vitamina A, beta-caroteno.

Cerca de metade da população não consegue converter beta-caroteno em vitamina A de forma eficiente.

A chave para qualquer dieta sustentável é o equilíbrio. Hyman recomenda a construção de refeições em que a porção de carne é mais como um condimento do que um prato principal.

Ele também nos pede para considerar a fonte de nossa carne e escolher a qualidade em vez da quantidade.

Animais alimentados com capim e orgânicos podem custar mais, mas geralmente são mais equilibrados, insiste ele: “O ideal é que você coma menos carne e mais alimentos à base de vegetais”, disse ele.

 
Foto:Estrada Anton/Shutterstock
Fonte:Conan Milner/ Epoch Times

   
       
 
22/12/2018 - AS populações de gorilas, girafas e baleias estão aumentando
21/12/2018 - MMA alerta para o cuidado com praias e recifes
21/12/2018 - Festas de Final de ano e meio ambiente
21/12/2018 - Parques do Brasil: agora, na palma da mão, informações completas de 30 unidades de conservação. E, no ano que vem, tem mais!
21/12/2018 - *Controlo da qualidade do ar, um desafio essencial para a saúde humana
19/12/2018 - Os prós e contras de comer carne
18/12/2018 - Você sabe o que é capital natural?
18/12/2018 - Produtores de leite investem em energia solar em Minas Gerais
18/12/2018 -  Colmeias inteligentes ajudam a frear o desaparecimento de abelhas no mundo

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados