O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Veículos elétricos devem ter preços de carros flex a partir de 2025
Tamanho da letra

Atualmente no Brasil há apenas 450 veículos elétricos e outros mais de 6,4 mil híbridos.

Em sete anos, o preço de um automóvel elétrico deve começar a ser semelhante ao de um movido a combustíveis fósseis, como gasolina.

A expectativa é da Associação Internacional do Cobre (International Copper Association, ICA, em inglês) e que foi apresentada durante o 15º Congresso Brasileiro de Eficiência Energética (COBEE), realizado pela Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia (ABESCO), em São Paulo.

Segundo o estudo, nos próximos anos, haverá uma queda nos preços das baterias, estimando-se que, a partir de 2025, os veículos elétricos irão atingir paridade de preços com os veículos à combustão.

Atualmente, carros elétricos no mercado brasileiro podem ser adquiridos a partir de aproximadamente R$ 126 mil e as baterias custam em torno de 35% o valor do veículo.

No passado, o mesmo item já chegou a custar até 60% do custo total.

“Se conseguirem solucionar essa questão da tecnologia da bateria, o cenário atual pode mudar. Por enquanto, ainda existe, no consumidor, uma dúvida muito grande com relação a este custo”, pondera o presidente da ABESCO, Alexandre Moana.

Para ele, a popularização dos carros elétricos no país também tem relação com a matriz energética, ou seja, a fonte de energia do carro elétrico.

Acrescenta ainda que a energia fotovoltaica, produzida a partir de luz solar, é a mais indicada, apesar de ainda ser incipiente no Brasil.

“Atualmente é muito melhor, ambientalmente falando, colocar um carro a etanol rodando, porque o combustível gerado é oriundo de fonte renovável. Já um veículo com motor elétrico perde eficiência energética no caminho se sua energia for gerada por meio de uma termoelétrica”, aponta Moana, referindo-se à matriz que é mais poluente ao gerar energia por meio da queima de combustíveis fósseis.

Apesar disso, o presidente da ABESCO enxerga o país com boa perspectiva em relação ao mercado de carros ecologicamente corretos.

“O Brasil é diferente. Ele já tem o carro elétrico mais eficiente do mundo. Ambientalmente, inclusive. O carro híbrido, a etanol e elétrico, já é o ideal. Resta apenas popularizá-lo”, completou.

Números

No Brasil, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), há apenas 450 veículos elétricos no Brasil e outros mais de 6,4 mil híbridos, muito aquém de outros lugares do mundo.

De acordo com dados do Institute of Economic Affairs (IEA), na China, por exemplo, são mais de 1,24 milhão de carros elétricos.

No mundo, esse número ultrapassa os 3,1 milhões de unidades.

Diferentemente do carro elétrico – que usa apenas energia elétrica -, o carro híbrido ainda tem a possibilidade de usar etanol.

Fonte: CICLOVIVO

   
       
 
23/05/2019 -  Estão abertas as inscrições para a 8ª Feira de Geociências de Nova Andradina
17/05/2019 - Assim a soja invade a Amazônia
17/05/2019 - Quais são as atividades industriais mais ligadas ao desmatamento?
17/05/2019 - Museus se mobilizam para salvar as espécies ameaçadas
17/05/2019 -  Cuiabá:Estado lança edital para contratar 50 analistas ambientais
16/05/2019 - Cresce a infraestrutura de carga para veículos elétricos
16/05/2019 - *Precisamos falar sobre a geoengenharia
16/05/2019 - Submarino encontra plástico no ponto mais profundo dos oceanos
13/05/2019 -  Fungo que digere plástico é apontado como alternativa de preservação do meio ambiente

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados