O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Pagina Inicial Tradutor Cursos Artigos Vídeos Fotos Calendário Ecológico Eventos Quem somos Contato  

 

Notícias
Opinião: Em floresta alemã, uma batalha pelo clima
Tamanho da letra


Ativista da Floresta de Hambach é detida pela polícia

*O protesto por um pedaço de uma mata ancestral na Alemanha vai muito além de alguns ativistas abraçadores de árvores. Trata-se do futuro da energia e da proteção climática no mundo todo, opina Sonya Diehn.

Talvez você tenha ficado sabendo do drama que se desenrolou na Floresta de Hambach, a apenas 50 quilômetros de onde me encontro atualmente, na sede da DW em Bonn, na Alemanha.

Se assim for, você sabe que a polícia está tentando despejar um grupo de ativistas que há seis anos ocupa umas árvores ali.

Mas o que você talvez não tenha captado nas reportagens é o profundo significado que o resultado deste embate terá – para o futuro da energia na Alemanha e para a proteção do clima no mundo todo.

Primeiro, os fatos básicos: a gigante de energia alemã RWE opera duas das maiores minas de carvão da Europa, entre elas a mina de Hambach, no oeste da Alemanha, perto da fronteira com França, Bélgica e Holanda.

A RWE tenta gradualmente expandir essa mina ao longo das décadas em que vem lucrando com a extração de carvão.

Nas margens da imensa mina a céu aberto estão algumas centenas de hectares de floresta.

É uma sobra minúscula do que já foi derrubado: a Floresta de Hambach.

Desde 2012, ativistas vivem em dezenas de casas que construíram nas árvores, à espera do dia em que a RWE, dona do terreno, comece a derrubar mais alguns hectares de florestas para extrair carvão, como é autorizada a fazer pelo governo.

Esse dia chegou.

Mas o momento de desmatar não poderia ser mais suspeito, já que recentemente a Alemanha formou uma comissão especial para decidir quando exatamente o país pretende eliminar a produção de carvão.

Veja bem: o carvão mineral é o combustível fóssil mais sujo que existe.

E a Alemanha, há muito precursora na transição para a energia renovável, sabe que terá que abandoná-lo em algum momento, em nome do clima.

Mas a Alemanha é esquizofrênica quando se trata de energia.

Por um lado, tinha metas ambiciosas de redução de emissões e, nas últimas décadas, tomou decisivamente o caminho de converter sua própria matriz energética para fontes renováveis.

Por outro lado, e cada vez mais nos últimos anos, o governo alemão vem cedendo ao poder de lobby do carvão e adiando o abandono desse combustível fóssil.

Isso não faz sentido à luz do fato de que uma renúncia ao carvão é inevitável, especialmente quando as fontes renováveis rapidamente se impõem como mais baratas.

Acrescente a isso o fato de que, se a RWE derrubasse a floresta e queimasse o carvão embaixo dela, isso destruiria todo o orçamento de carbono da Alemanha em termos de emissões permitidas para evitar uma mudança climática catastrófica.

A luta na Floresta de Hambach gira em torno de uma questão básica: o que é mais importante, o lucro a curto prazo ou o bem-estar a longo prazo?

O resultado provavelmente vai moldar o futuro da energia na Alemanha: se a floresta for destruída e o carvão for queimado, é um sinal de que, nos próximos anos, continuará tudo na mesma.

 A Alemanha vai ultrapassar os limites de emissões e contribuir de forma perigosa para as mudanças climáticas.

Mas se a floresta permanecer de pé, e o carvão, sob o solo, isso pode significar uma verdadeira guinada no futuro energético da Alemanha.

Os ativistas entrincheirados nas casas nas árvores encontraram um grande oponente: a rotina de sempre.

Eles são, na maior parte dos casos, pessoas pacíficas e idealistas que defendem o que acreditam ser o certo.

Eles amam a natureza e chamam a atenção para a biodiversidade deste pedaço de terra.

Hambach é valiosa porque é um lembrete ainda de pé da antiga floresta que costumava cobrir a Alemanha e grande parte da Europa.

Então o que nós, como sociedade, valorizamos mais, e o que queremos ver para o nosso futuro: natureza e sustentabilidade intactas, ou lucros com combustíveis fósseis e catástrofe climática?

Esse é o cerne da luta deles.

Opositores apontam que, se o carvão não fosse extraído, alguns milhares de empregos seriam perdidos. Bom, quantos empregos, quantos bilhões de euros, quantas vidas serão perdidas se a mudança climática continuar inabalável?

O verão de calor extremo na Alemanha, com perdas de um terço das plantações só neste ano, é um mero aperitivo do que está por vir, se tudo continuar na mesma.

Outros argumentam que os ativistas estão errados por invadir e ocupar propriedades privadas da RWE.

Mas só porque algo é ilegal, não significa que não deva ser feito.

Era ilegal que mulheres e pessoas negras votassem no último século.

Se ninguém tivesse se posicionado contra, talvez ainda continuasse sendo.

Da mesma forma, só porque algo é legal, não quer dizer que seja certo.

A coisa moralmente correta a se fazer seria que o governo alemão interviesse e impedisse a RWE de derrubar a Floresta de Hambach e de queimar o carvão subterrâneo.

Isso enviaria um sinal para o mundo: é hora de nos posicionarmos contra a hegemonia dos combustíveis fósseis e, finalmente, de transferirmos nossas economias energéticas para um futuro sustentável.

Eu acho que os protetores das árvores são corajosos. E espero que eles ganhem.

*Sonya Diehn chefia a editoria de Meio Ambiente da DW.

Fonte:Deutsche Welle

   
       
 
06/12/2018 - Câmera escondida mostra bezerros machos sendo baleados em fazenda leiteira
06/12/2018 - *Amazônia, desconhecida dos brasileiros
06/12/2018 - Áreas de proteção ambiental já cobrem 15% da superfície terrestre, diz ONU
04/12/2018 -  Aquecimento global transforma em fêmeas 99% de uma população de tartarugas marinhas
04/12/2018 - Cientistas alertam que recuperação da biodiversidade poderá demorar milhões de anos
04/12/2018 - Brasil sobe no ranking dos países mais atingidos por riscos climáticos extremos
04/12/2018 - A floresta cujas árvores podem 'andar' até 20 metros por ano
04/12/2018 - Opinião: Época dura para luta contra aquecimento global
03/12/2018 - Bolsonaro critica forma como europeus defendem meio ambiente e os indígenas

 

     
Notícias | Tradutor | Cursos | Artigos | Vídeos | Fotos | Calendário Ecológico | Eventos | Quem Somos | Contato
© Copyright 2011 Meio Ambiente News - Todos os direitos reservados